sexta-feira, 1 de julho de 2011

De Nuptis Secretis Deorum Cum Hominibus - Escrito por Aleister Crowley

Baphomet Xº O.T.O. do Trono da Irlanda, Iona e toda a Bretanha que está no Santuário da Gnosis para os Perfeitos Iluminados Adeptos do Secreto Aeropagus do Oitavo Grau, Pontífices e Bispos dos Illuminati, Saudações e Paz. [ Sob o Selo de Obrigação do VIIIº. Dado este dia de An X Sol em 0º ... em 12º 25’. Vale de Liverpool.]

Do Matrimônio Secreto de Deuses com Homens

Uma Instrução Secreta do Oitavo Grau

 

I - [De Castitate] Sobre a Castidade

[Amen.] Caros Amados, naquela guerra [traição] dos Irmãos do Caminho da Mão Esquerda contra a Gnosis em que a primeira fase terminou no estabelecimento da tirania e superstição que é chamada Cristianismo, muito da Verdade foi usurpada pela Loja Negra, e pervertida para seu vil proveito. E, o mais nocivo nessa corrupção é aquela castração do homem chamada Castidade, a atrofia daquelas nobres partes do corpo que são os próprios órgãos da Redenção com Gaian e Ouranian.
Nós então, que no Sétimo Grau prestamos o juramento mais solene à Castidade no mais Intimo, assim como no mais Externo, que somos agora como Bispos dos Illuminati, contemplamos com nossos olhos, e como Perfeitos Pontífices de nossa nobre Ordem administrada com nossos membros, a Iniciação cujo nome é Ressurreição para a luz, nós então estamos habilitados a iluminar os lugares escuros da Terra, e a considerar sabedoria mentir no império do Verdadeiro Mal. Leia, portanto, essas passagens na falsificação chamada Epístola de Paulo aos Romanos:
Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para obedecerdes às suas concupiscências; nem tampouco apresenteis os vossos membros ao pecado como instrumentos de iniqüidade; mas apresentai-vos a Deus, como redivivos dentre os mortos, e os vossos membros a Deus, como instrumentos de justiça.
Falo como homem, por causa da fraqueza da vossa carne. Pois assim como apresentastes os vossos membros como servos da impureza e da iniqüidade para iniqüidade, assim apresentai agora os vossos membros como servos da justiça para santificação. Porque, quando éreis servos do pecado, estáveis livres em relação à justiça. E que fruto tínheis então das coisas de que agora vos envergonhais? Pois o fim delas é a morte. Mas agora, libertos do pecado, e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida eterna.
(Romanos VI, 12-13 e 19-22).
Considere também essas passagens do Velho Testamento [Legenda Judaica]:
Disse-me também o Senhor: Toma uma tábua grande e escreve nela em caracteres legíveis: Maher-shalal-hash-baz; tomei pois, comigo fiéis testemunhas, a Urias sacerdote, e a Zacarias, filho de Jeberequias. E fui ter com a profetisa; e ela concebeu, e deu à luz um filho; e o Senhor me disse: Põe-lhe o nome de Maher-shalal-hash-baz.
(Isaias VIII, 1-4)
Quando o Senhor falou no princípio por Oséias, disse o Senhor a Oséias: Vai, toma por esposa uma mulher de prostituições, e filhos de prostituição; porque a terra se prostituiu, apartando-se do Senhor. Ele se foi, pois, e tomou a Gomer, filha de Diblaim; e ela concebeu, e lhe deu um filho.
(Oséias I, 2-3)
Disse-me o Senhor: Vai outra vez, ama uma mulher, amada de seu amigo, e adúltera, como o Senhor ama os filhos de Israel, embora eles se desviem para outros deuses, e amem passas de uvas. Assim eu comprei para mim tal mulher por quinze peças de prata, e um hômer e meio de cevada; e lhe disse: Por muitos dias tu ficarás esperando por mim; não te prostituirás, nem serás mulher de outro homem; assim também eu esperarei por ti.
(Oséias III, 1-3)
É então evidente, mesmo que saído da língua do inimigo, que existe um uso sagrado, tal qual um abuso, do Santuário da Vida, e embora sejam ritos tão sacrossantos e escondidos que mesmo para o Perfeito Iluminado Adepto do VIIIº não possam ser revelados, ainda assim para estes é justa uma declaração plena de alguns Mistérios com uma boa explicação.

 

II - [De aliquo ritu ] Sobre os Ritos de Sangue

[Amen.] É dito que existe uma facção dos [nossos] Irmãos Judeus chamada de Chassidim que pratica o sacrifício humano. Assim, preferencialmente uma criança, mas podendo também ser um adulto, é tomada entre os Gentis, e solenemente morta para que nenhuma gota de sangue seja desperdiçada, a fim de que o espírito da vítima não consiga, refugiando-se naquela gota, escapar do Exorcista. Este sangue é então consumido como um sacramento, ou empregado para propostas talismânicas.Uma vez que o espírito desse morto é selado no derramamento e coleta de sangue, é multiplicado em cada parte disso, da mesma forma que na Missa do Corpo de Cristo é dito para haver igualdade em toda a miríade de hóstias consagradas, e do SEU Sangue em cada gota de vinho consagrado, em toda parte e para tudo eficaz.

 

[III] - [De aliquo ritu Ecclesiae Gnosticae] Sobre os Ritos de Sangue da Igreja Gnóstica

[Amen. Era lei na Igreja Cristã primitiva, de acordo com certos Padres da Gnosis, tomar um bebê recém nascido , e tendo-o envolvido em uma massa de farinha, apunhala-lo em vários lugares com o punhal consagrado. O sangue da criança, dessa forma, impregnava a farinha com Vida, tornando o material adequado para a confecção da Hóstia].
Reflita sobre isso.

 

[IV] III - [De aliquo ritu in regno Muscoviae secrete celebrato] Sobre certos ritos praticados secretamente na Rússia

[Amen.] Há um corpo dentro da Igreja Grega que oculta uma doutrina esotérica e praticam um Ritual Secreto.
Nas reuniões deste corpo as luzes são apagadas,e os adoradores, conduzidos pelo Sacerdote e uma Sacerdotisa eleita e consagrada, buscam uns aos outros pelo tato e por atração sutil; então eles consumam a caridade [castidade] pura de seus corações em êxtase sagrado.
Se pela graça e alojamento do Espírito Santo, a Sacerdotisa (que é desposada apenas para este Ritual, e ainda virgem) concebe e dá a luz, sendo a criança batizada por seu pai, o Sacerdote, pela Purificação na água, e pela Consagração no fogo é assado e dividido entre os adoradores para ser usado como um sacramento, como um talismã e como medicina contra todas as doenças. Isso também é dito pelos Cavaleiros de nossa Sagrada Ordem do Templo, que a prole de qualquer um deles por uma virgem era assada e um ungüento feito com a gordura disso é misturado para consagrar a Mágica e Inefável figura de Baphomet.
Reflita sobre isso.

 

[V] IV - [De Missa Diaboli] Sobre a Missa Negra

[Amen.] Dentro da Igreja Romana tem sido encontradas, desde o principio até os dias de hoje, pessoas e sociedades visivelmente obedecendo àquela base e culto materialistas, internamente revoltados contra isso; ainda que muitas vezes sejam completamente ignorantes a respeito de nossa Luz e nossa Verdade, que para eles a ligação de Vida, Liberdade e Amor somente seja possível por meio da profanação de seus próprios Mistérios. O que eles não imaginavam era que esses Mistérios nada mais eram do que a profanação e corrupção dos verdadeiros e perfeitos Mistérios dos Adeptos.
Eles então estabeleceram um culto em que a formula fundamental era violar a Hóstia consagrada.
O Sacerdote tendo então feito o pão tornar-se o Corpo de Cristo (como ele conseguia fazer teoricamente por virtude de seu poder Apostólico), como ele imagina, viola esse Corpo usandoo como objeto e veículo de luxúria.
Heróicas crianças da Liberdade, mas três vezes cegas. Sansões que definham junto aos Filisteus.
Caso a teoria eclesiástica seja real, eles de fato incorrem em danação, se falsa, realmente eles perderam seus empregos. Mas ao menos eles erguem o Homem contra o demônio imbecil dos Cristãos, e que isso seja narrado por eles por direito. Porém, observem meus Irmãos Perfeitos Iluminados Adeptos, quão grande é o erro deles, que a sua revolta deveria torna-los Reis. Para isso, na realidade, não deveriam ser as antigas macaquices dos Sacerdotes que consagram o pão, mas seu poder masculino, que pode tornar sagradas todas as suas ações.
Reflita sobre isso.

 

[VI] V - [De Sabbato Adeptorum] Sobre o Sabá dos Adeptos

[Amen.] Nas horas negras da terra, quando a superstição Cristã apodreceu de forma maligna o povo da Europa, quando nossas próprias Ordens Sagradas foram dispersas e a santidade de seus preceptores foi violada, algo ainda era encontrado para incutir a Verdade em seus corações, e, uma agradável Luz, para usar a Lâmpada das Virtudes sob o Manto do Segredo. E isso, em certas épocas ocorria durante a noite por caminhos abertos ou oculto nas matas e montanhas, e lá dançando unidos, e com estranhas ceias e feitiços diversos,eram chamados diante Dele, a quem o inimigo ignorantemente chama de Satan, e era na realidade o Grande Deus Pan, ou Baco, ou ainda como o Baphomet a quem os Templários secretamente veneravam, e continuam a venerar [() como no VIº todos os Ilustres Cavaleiros da Sagrada [Sacrossanta] Ordem de Kadosh, e todas as Damas de Companhia do Sagrado Graal são orientados a fazer [)] ou BABALON, a Bela, ou ainda Zeus Apolo dos Gregos.
E, quando cada um deles foi induzido à revelação havia feito parceria com aquele Encarnado pela Consumação do Rito do Matrimônio.
Reflita sobre isso.

 

[VII] VI - [De aliquibus fabulis antiquitatis] Sobre as Fábulas Clássicas

[Amen.] Os Antigos de cada nação relatavam o fato de seus heróis terem nascido do casamento de Deuses com mortais. Como Rômulo e Remo [gêmeos], gerados do Deus Marte sobre uma Virgem possuída, Hercules de Jove, Buda de Vishnu na forma de um elefante branco com seis presas, Jesus de Jeová sobre uma virgem, e muitos outros. Mesmo verdadeiros Deuses foram gerados de mães mortais, como Dionísio de Semele.
Da mesma forma eles narraram inúmeros amores do céu para a terra, Diana por Endymion, Zeus por Leda, Danae, Europa e o resto; mesmo Hades saiu de seu obscuro reino para possuir a dama Perséfone.
Existem ainda os amores de Deuses por ninfas, Baco por Ariadne, Zeus por IO, Pan por Syrinx; não existe fim para isso. E Sátiros, faunos, centauros, dríades, mil tribos graciosas, saltando luminosamente e cheios de luxúria através de suas lendas.
Novamente temos os amores de fadas da humanidade, e o comércio de Beni Elohim com as esposas de homens; e, ainda novamente, temos o matrimônio de Orfeu com Eurídice, uma ninfa, e as redes fatais que Laura, Melusina, as Sereias, [Lorelei,] Lilith, e várias outras jogam sobre os homens.
É da mesma forma dito que para cada Neófito da Ordem da A.·.A.·. aparece um demônio na forma de uma mulher para perverte-lo; em Nosso próprio conhecimento não existem menos que nove irmãos sendo permanentemente banidos [para longe] por isso [, e aqueles em que isso ocorrerá dentro do período de dois anos].
Há também amores fúteis, como o de Ixion por Hera, o de Actaeon por Ártemis.
Reflita sobre isso.

 

[VIII] VII - [De Cultu antiqua apud Graecos nunc eiam semper manente] Sobre certos Ritos Gregos.

[Amen.] Entre os povos da Península Balkan e, especialmente os Gregos, sob o bosque [casca] de seu falso Cristianismo, está escondido o trigo de Demeter. E, da mesma forma que os Muslim, confiaram permanecerem unidos até a morte ao Hur al’Ayn [e, o Gilman] do Paraíso, então fazer esses outros ainda pensarem que oi matrimônio mundano seja nada mais que fornicação, pois a Morte é uma núpcia onde a alma se une ao Deus ou Deusa a quem, na terra, o desejo dele aspira.
Dessa forma, mesmo nos abraços de seus amantes, seus corações ficavam fixados em Ártemis, ou em Afrodite, ou em Ares, ou em Apolo, como sua tendência interna o impulsionar e sua intuição assim proclamar.
Reflita sobre isso.

 

[IX] VIII - [De succubis et incubos] Sobre os súcubos e íncubos

[Amen.] A todo instante a vida de um homem tem agora e novamente transbordado, durante o sono, sem vontade e, apenas refletido a si de forma obscura e fantasticamente através de sonhos[s] para o conhecimento dele. Agora desde o zero pode ser perdido em algum nível, mas apenas modificada na aparência, a substância interna dessa coisa-viva realmente gerava monstros na parte material, que os doutores da Idade Média chamavam de Íncubos ou Súcubos, de acordo com a forma com que eles realizavam as funções de macho ou fêmea. Esses , da mesma forma, geravam crianças em mulheres; mas não o contrário, para os súcubos, por toda as suas funções femininas, é como macho e como irmão dele.
Desses amantes monstruosos alguns, de certa forma, se tornaram famosos na Terra; como aquele que tentou Santo Antônio, e o anjo que lutou com Jacó no lugar conhecido como Paniel. Da mesma forma, Merlin era a criança de um incubo, e assim também foram muitos dos heróis gerados na antiguidade.
Reflita sobre isso.

 

[X] IX - [De opere Adepti] Sobre a Obra dos Adeptos

[Amen.] Não apenas como provação, e como uma preparação, para a distante grande Chave da Arte Mágicka que é dado aos Iniciados do Santuário da Gnosis no IXº, mas para seus próprios fins, e a prática e permanente validade de seus efeitos é um trabalho menor a ser experimentado por Bispos – e quanto mais por Pontíficies – dos Illuminati.
E esse trabalho é em três partes.
  1. Devoção ao Superior intensificada em todos os planos até que isso culmine em União Conjugal ratificada por cada Deus de forma tão firme que a Morte disso é o portal para sua completa e permanente diversão. E, a alma é gerada por si como uma criança para uma nova encarnação sobre o corpo das Grandes Deusas. Como é escrito, que seja dito para você! ‘Oh, tu que rapidamente formulou teu pai e tornou fértil tua mãe!’
  2. Aceitação da devoção de um ser menor ou parcial, tal qual uma ninfa ou um elemental de forma sábia que é então redimido e tornado perfeito através da morte, na qual ele deve pagar como preço da união com o homem.
  3. A deliberada e bem considerada criação de novas Ordens de Existência.

 

[XI] X - [De modus operandi nuptias summas] Sobre os Grandes Matrimônios

[Amen.]
  1. O método supremo é plenamente declarado nas Publicações da Mais Sagrada Augusta Fraternidade A.·.A.·. , Liber XI e Liber DLV.
  2. 2. Este outro método é sugerido.
Em toda ocasião antes de dormir que o Adepto imagine sua deusa diante dele, que a possua ardentemente na imaginação e exalte a si com toda a intensidade para ela.
E, que ele considere todo movimento involuntário da mente [vindu] como vis adultérios e crimes.
Então, com ou sem assistente, que ele purifique-se livremente e completamente, até o final do controle treinado e ordenado exaustivamente, sempre concentrado ardentemente no Corpo da Grande Deusa, e que a Oferenda seja preservada em um templo consagrado à Ela, ou em talismã especialmente preparado para essa prática. E, que nenhum outro desejo entre no coração. Então, será no final que a Grande Deusa irá descer e vestir-se com a beleza Dela, em véus de sensualidade, entregando sua pura fortaleza do Olimpo para ser assaltada por ti, O Titã, Filho da Terra! Ou, que pelo menos, isso te sendo negado, ainda toda tua vida em coração e espírito sendo Dela, tua morte será a consumação desse‘contrato de casamento’, uma entrada para o Palácio Fechado da Dama.
E, sobre tais Esposas tu deves ler no Liber CCCCXVIII, mais especialmente no Nono e no Segundo Aethyrs.
Deve ser notado em tudo isso que tanto Deus quanto a Alma sãomacho ou fêmea de acordo com o que a conveniência requerer. Assista, como um exemplo curioso, o tratado místico chamado de Bagh-i-Muattar.

 

[XII] XI - [De modo operandi nuptias minores] Sobre os Matrimônios Menores

[Amen.] Essa questão é fácil, pois as almas dos elementos desejam constantemente essa salvação. Mas, que o Adepto seja cauteloso:
  1. Que ele escolha sabiamente uma alma racional, dócil, apta, bela, e de todas as formas, digna de amor.
  2. Que ele nunca ceda ao amor da Grande Deus quando amar esse ser inferior, mas que faça somente como um mestre e, por sua piedade [misericórdia], sabendo que isso também é a Serviço de Sua Grande Dama acima.
  3. Que desses tais espíritos familiares ele tenha mais quatro. E, que ele regule seus serviços, nomeando as horas de cada um deles.
  4. Que ele os trate com suavidade e firmeza, guardando-se contra seus truques.
Tendo isso sido dito, é o suficiente; tê-los, porém, significa a tormenta de chamá-los pelos seus nomes. E, os Espíritos das Tábuas Elementais, dadas pelo Dr. Dree e Sir Edward Kelly, são os melhores, sendo extremamente perfeitos em natureza e fé, tendo afeto (sic) à raça humana. E, se não são tão poderosos, são muito mais perigosos que os Espíritos planetários; por esses serem mais violentos , e por distração com estrelas são facilmente perturbados e afligidos. Chame-os então pelas Chaves de Enoch assim como está escrito no Livro, como nós o conhecemos; e, que após as Invocações seja feita uma evocação por Bastão; e que a Medula do Bastão seja preservada dentro das pirâmides de letras que formam o nome do Espírito.
Agora, a menos que você seja hábil na Arte Mágicka, não deverá arriscar-se invocando os Três Grandes Deuses da Tábua toda, ou o Rei Serpente dela, os magistrais Seis Senhores, ou ainda os Deuses da Cruzes do Calvário nos anjos menores. Mas, os Querubins governantes, reais e amen, esses são a sua meta; e, você ainda deverá ter maior segurança ao convocar os anjos assistentes Menores.
E, aqueles que são noviços na Arte devem sabiamente invocar apenas o Trigrammaton dos Sub-Elementos.

 

[XIII] XII - [De modo Creandi Nova regna ad Gloriam. I.N.R.I.] Sobre o Novo e Sagrado Reino

[Amen.] Está escrito no Papiro de Nes-Min que o Sol, falou por seu nome Toum e disse:
‘... Eu copulei com meu punho, Eu emiti sêmen para minha escuridão, Eu ejaculei em meus próprios lábios, Eu perfumei minha prole como Shu, Eu despejei a mim mesmo para fora como Tefnut. Shu e Tefnut... geraram para mim o meu olho... Eu chorei sobre eles: seres humanos vieram das lágrimas que surgiram de meu olho. Shu e Tefnut geraram Keb [Seb] e Nut, e Keb [Seb] e Nut geraram Osíris e o Hórus Cego e Set e Isis e Neftis do ventre, um após o outro, e eles geraram suas multidões sobre essa terra.’
E, novamente:
‘Eu copulei com meu punho, meu coração surgiu em minha mão, o sêmen caiu em meus lábios. Eu perfumei minha prole como Shu, Eu despejei a mim mesmo para fora como Tefnut: de um Deus eu era Três Deuses...’
Dessa forma o Sol formou Macho e Fêmea, cujas crianças são Terra e Céu, cujas crianças são os Cinco Elementos ou Tatwas, da qual todas as coisas visíveis são feitas.
Então, que o Adepto faça dois talismãs, puro Macho e Fêmea, sem misturas de qualquer dos princípios menores; e que ele consagre-se como o Sol , e despeje para fora a Vida sobre eles, vivificando-os dessa forma. Então devem se unir, fazendo deles um novo Céu e uma nova Terra, cuja união criará Elementos, e multidões de Seres de Vida e Amor em Liberdade sob tua luz, uma casa de Virgens cantando louvores entre as chamas de Glória onde o Senhor faz aberta a sua boca; tais trabalhos se tornarão uma canção de honrarias e o louvor a seu Deus em sua criação!

 

[XIV] XIII - [De perditione] Sobre a Danação

Lembrem-se, queridos amados, perfeitos Iluminados Adeptos desse secreto Aeropagus, que do início de tudo, os votos de sua Iniciação tem invocado sobre você as mais terríveis penas por desobediência.
Por mais cedo que erigir uma coisa natural e comum em uma Fórmula de Magick, por mais cedo que você se excite, também o contrário ocorre. Dessa forma, enquanto todas as crianças lêem e conversam livremente sobre os Pilares do Templo do Rei Salomão por nome, o Maçom [franco-maçom] não ousa mais do que as letras deles sem precaução. E, mesmo que o homem privado fale mal do Rei, e blasfeme Deus sem correr riscos, ainda assim, o servo do Rei e o Ministro de Deus deverão ocultá-lo (sic) com reverência, ainda que isso não creiam nisso de coração, por essa razão, ele tem invocado o Rei, e Deus, como espada e armadura de sua própria autoridade.
Para você então, se você tem ousado usar essa Força do Sagrado Phallus, isso é um abuso fatal e mortal.
Para o homem da terra esse é um problema pequeno, se ele sofre de poluição noturna ou entrega em carência; para você que é Adepto é a ruína absoluta.
Por toda aquela Força que escapa ao seu controle, a menos que dirigida e fortalecida por sua Vontade que é mais como um soldado leal que acredita na morte, é uma artilharia abandonada que é aprisionada pelo inimigo e se vira contra você. E, pelo fato disso ser de sua própria substância, então é, como era por natureza, uma ligação com você, um direito sobre você, e toda a fortaleza que sua herança Divina, e sua própria Sagrada Arte tem formado sobre você não tem forças para resistir a esse traiçoeiro assalto. Seja prudente então com a obsessão, desgaste físico e desejos, loucura e mesmo morte que possam ser impostos a você pelos mecanismos que, tendo forjado a serviço da humanidade e pela glória do Senhor, levem à maldade do demônio que ele fez virar-se para a sua própria destruição.

 

[XV] XIV - [De aura seminis] Uma censura

[Amen.] Ouçam portanto, queridos amados, esta censura.
Primeiramente, fortaleça ao máximo o poder da restrição por práticas diárias como era ensinado pelos Hindus e Árabes, mestres desta ciência, em seus livros.
Shiva Sanhita
Hathayoga Pradipika
Kama Sutra
Ananda Ranga
O Perfumado Jardim do Sheikh Nefzawi
E, muitos outros.
Em segundo lugar, evite os perigos da inadvertência por constante e regular práticas (A) dos
Grandes e (B) dos Trabalhos Menores de um Bispo e Pontíficie dos Illuminati e (C) do Mistério
do Novo Reino Sagrado.
Em terceiro lugar, sempre repouse em um círculo consagrado ou em uma sala preenchida por
imagens sagradas perante o que as forças da escuridão tremem diariamente. As respectivas
imagens são:
  1. O Sol.
  2. O Sagrado Phallus
    [Todas as imagens gravadas ou desenhadas do sagrado Phallus, e todas os lindos desenhos ou figuras da Consumação do Amor ( A Yoni em todas as suas combinações, e símbolos).]
  3. O Grande Selo de Babalon.
  4. A Estela da Revelação.
  5. O Grande Selo da O.T.O.
  6. O Grande Selo de [Nosso] Baphomet.
  7. {A imagem de Baphomet / A imagem de Babalon}
  8. O Olho dentro do Triangulo.
  9. A Rosa Cruz
  10. A imagem de Harpócrates sobre a Lótus, ou descansando sobre os Crocodilos.
  11. As imagens de Babalon com a Fálica referência Om mani padme hum.
  12. A figura de Isis com Hórus.
  13. O Crucifixo, mas apenas se o seu significado fálico-solar for mais firmemente compreendido, e se houver um escudo de segredo contra o vulgar.
  14. Talismãs apropriados a essa questão.
  15. Uma chama acesa.
  16. Os símbolos e insígnia da O.T.O. que o seu grau intitula-o a usar.
Anéis mágicos e colares com pingentes também devem ser usados durante noite e dia.
[Flores podem ser colhidas, e usadas como ornamento, por ostentarem abertamente seus órgãos sexuais.]
Os Rituais de defesa e proteção também devem ser praticados com perfeição. Todos os excrementos corporais, como unhas cortadas, e cabelo, devem ser queimados; o cuspe deve ser destruído ou exposto ao Sol; a urina e as fezes devem estar dispostas de tal forma que seja improvável que qualquer outra pessoa possa apossar-se deles. Em teoria, é conveniente que as roupas não sejam lavadas por estranhos, e que roupas velhas não devem ser dadas aos pobres algum tempo depois da ocasião de tê-las vestido.
Mas, essas precauções não precisam se estender por mais tempo; apenas se engajado nas operações de maior importância, é indispensável observa-las.

 

[XVI] XV - [De subtilitate hujus epistolae] Sobre a Astúcia dessa Instrução

[Amen.] Agora, de acordo com isso, pode ser correto julgar que isso contenha coisas monstruosas e extravagantes; que eles considerem isso como um defeito de sua própria intuição e apreensão, e mais ainda como a espessura daquele Véu que é ainda intermediário entre o Aeropagus e o Santuário da Gnosis. Por serem perfeitamente iluminados como são, adorados Irmãos, pensem nisso, que nisso pode haver uma Escuridão que é maior que a toda sua Luz.

 

[XVII] XVI - [Valedictio] Despedida

Amen, e Amen, e Amen de Amen.
Eu me despeço de vocês com um sinal: Eu troquei com vocês o sinal: Eu sussurro a Palavra assim como Eu a recebi, e nunca de outra maneira.
Eu invoco sobre vocês a Luz de Nosso Senhor, o Sol; Eu confiro sobre vocês as bênçãos do Senhor ΙΘΦΑΛΛΟΣ pelo nome ON e pelo nome AMEN Eu invoco as forças da Vida, do Amor, e da Liberdade sobre você.
E, que a Glória do Santuário da Gnosis brilhe intensamente através do Véu então, e a Pompa e delicioso Graal passe novamente perante seus olhos!
Saudações, Irmãos adorados do Mais Alto, saudações, perfeitos Adeptos Iluminados de nosso Secreto Aeropagus, saudações triplas, Pontíficies e Bispos dos Illuminati, saudações e até breve!
Em nome de Babalon e da Besta unidos, do Secreto Salvador e de IAO.

 

Apêndice

Nos Livros Sagrados de Thelema são cantadas constantemente as Núpcias de Deuses e Homens, Veja:
Liber LXVI 20, 22-8, 47-8, 64-5;
II 4-16, 30-9, 45-6, 50-4, 57-61;
III 31-6, 40-54, 60, 63-5;
IV 1-5, 7-9, 24, 30-40, 42-44, 48-56;
V 8-12, 21-4.

Liber Librae - O Livro do Equilíbrio - Escrito por Aleister Crowley

SVB FIGVRA
XXX

Sigilo da Santa Fraternidade Astrum Argentum

A.·. A.·.

Publicação em Classe B.

Emitido pela ordem:

D.D.S. 7° = 4°
 
Premonstrator
 O.S.V. 6° = 5°
 
Imperator
N.S.F. 5° = 6°
 
Cancellarius

O. Aprende primeiro- Ó tu que aspiras a nossa antiga Ordem! - que o Equilíbrio é a base do Trabalho. Se tu mesmo não tens um alicerce, sobre o que irás tu estar para comandar as forças da Natureza?

1. Saiba, então, que como o homem nasce neste mundo em meio às Trevas da Matéria, e à luta de forças rivais; seu primeiro esforço deve, portanto, ser o de procurar a Luz atravez da reconciliação delas.

2. Tu então que tens provas e problemas, regozija-te por causa deles, pois neles está a Força, e por meio deles é aberta uma trilha àquela Luz.

3. Como poderia ser de outro modo, Ó homem, cuja vida é apenas um dia na Eternidade, uma gota no Oceano do tempo; como poderias tu, não fossem muitas as tuas provas, purgar tua alma da escória da terra? É apenas agora que a Vida Mais Elevada é assediada com perigos e dificuldades; não tem sido sempre assim com os Sábios e Hierofantes do passado? Eles foram perseguidos e ultrajados, eles foram atormentados por homens; ainda assim sua Glória crescera.

4. Regozija, portanto, Ó iniciado, pois quanto maior for tua prova, maior teu triunfo. Quando os homens te ultrajarem, e falarem contra ti falsamente, não tem dito o Mestre, "Sagrados sois vós"?

5. Ainda assim, Ó aspirante, deixa que tuas vitórias tragam a ti não a Vaidade, pois com o aumento do conhecimento acompanharia o aumento da Sabedoria. Ele que sabe pouco, pensa que sabe muito; mas o que sabe muito descobrira sua própria ignorância. Tu vês um homem sábio em sua própria presunção? Não há mais probabilidade de existir um tolo, do que ele.

6. Não sejas apressado em condenar outros; como conheces aquilo no lugar deles, tu poderias ter resistido a tentação? E mesmo se fosse assim, Porque deverias tu menosprezar aquele que é mais fraco do que tu mesmo?

7. Tu, portanto, que desejas Dons Mágicos, estejas seguro de que tua alma é firme e inabalável; pois é lisongeando tuas fraquezas que os Fracos ganharão poder sobre ti. Rebaixa-te ante teu Self; contudo, não temas nem homem nem espírito. O Temor é o fracasso, e o precursor do fracasso; e a coragem é o início da virtude.

8. Portanto, não temas os Espíritos, mas sê firme e cortês com eles; pois tu não tens direito a desprezá-los ou a injuriá-los; e isto também pode induzir-te ao erro. Domina e bane-os, amaldiçoa-os pelos Grandes Nomes se necessário for; mas nem zombes nem os insultes, pois assim, certamente, tu serás levado ao erro.

9. Um homem é aquilo que ele faz de si mesmo dentro dos limites fixados por seu destino herdado; ele é uma parte da humanidade; suas ações afetam não somente o que ele denomina de si mesmo, mas também a totalidade do universo.

10. Venera, e não negues o corpo físico que é tua conecção temporária com o mundo externo e material. Portanto, que teu Equilíbrio mental esteja acima dos distúrbios dos fatos materiais; vigora e controla as paixões animais, disciplina as emoções e a razão, alimenta as Aspirações Mais Elevadas.

11. Faze o bem aos outros para teu próprio bem, não por recompensa, não pela gratidão deles, não por compaixão. Se tu és generoso, tu não ansiarás que teus ouvidos sejam deliciados com expressões de gratidão.

12. Lembra que a força desequilibrada é perniciosa; que a severidade desequilibrada é apenas cueldade e opressão; mas que também a misericórdia desequilibrada é apenas fraqueza que consentiria e incitaria o Mal. Obra com paixão; pensa com razão; sê Tu mesmo.

13. O Verdadeiro ritual é tanto ação quanto palavra; é Vontade.

14. Lembra que esta terra é apenas um átomo no universo, e que tu mesmo és apenas um átomo disto, e que mesmo tu poderias tornar te o Deus desta terra na qual tu rastejas e te arrastas, que tu serias, mesmo então, apenas um átomo, e um dentre muitos.

15. Contudo, tem o maior auto-respeito, e para este fim não peques contra ti mesmo. O pecado que é imperdoável é rejeitar consciente e intensionalmente a Verdade, recear o conhecimento mesmo que aquele conhecimento não alcovites teus preconceitos.

16. Para obter o Poder Mágico, aprende a controlar o pensamento; admita somente aquelas idéias que estão em harmonia com o fim desejado; e não toda idéia difusa e contraditória que se apresente.

17. O Pensamento fixo é um meio para um fim. Portanto, presta atenção no poder do pensamento silencioso e da meditação. O ato material é apenas a expressão externa de teu pensamento, e, portanto, tem sido dito que "Pensar tolice é pecado". O Pensamento é o começo da ação, e se um pensamento ao acaso pode produzir muito efeito, o que não poderia fazer um pensamento fixo?

18. Portanto, como já tem sido dito, Estabeleçe-te firmemente no equilíbrio das forças, no centro da Cruz dos Elementos, a Cruz de cujo centro o Mundo Criativo brotou no nascimento da aurora do Universo.

19. Sê tu, portanto, pronto e ativo como os Silfos, mas evita frivolidade e capricho; sê enérgico e forte como as Salamandras, mas evita irritabilidade e ferocidade; sê flexivo e atento às imagens como as Ondinas, mas evita ociosidade e inconstância; sê laborioso e paciente como os Gnomos, mas evita grosseria e avarice.

20. Então, irás tu gradualmente desenvolver os poderes de tua alma, e encontrar te a comandar os Espíritos dos elementos. Por que esteves a convocar os Gnomos para alcovitar tua avarice, tu não irias mais comandá-los, mas eles te comandariam. Abusarias dos puros seres dos bosques e das montanhas para encher teus cofres e satisfazer tua fome de Deus? Rebaixarias os Espíritos do Fogo Vivo para servir a tua ira e ódio? Violarias a pureza das Almas das Águas para alcovitar teu desejo de devassidão? Forçarias os Espíritos da Brisa Noturna para servir a tua loucura e capricho? Saiba que com tais desejos tu podes apenas atrair o Fraco, não o Forte, e naquele caso o Fraco terá poder sobre ti.

21. Na religião verdadeira não há seita, portanto, preste atenção a que tu não blasfemes o nome pelo qual outro conhece seu Deus; pois se tu fazes isto em Júpiter tu irás blasfemar יהוה e em Osíris יהשוה. Pergunta e tu irás obter resposta! Procura, e tu irás encontrar! Bate, e será aberta a ti.

Liber Turris vel Domus Dei - Escrito por Aleister Crowley

sub figura XVI

Sigilo da Santa Fraternidade Astrum Argentum

A.·. A.·.
Publicação em Classe B.
Imprimatur:
N. Fra A.·. A.·.

0. Essa prática é muito difícil. O estudante não pode esperar por muito sucesso a menos que ele tenha minunciosamente dominado o Asana, e obtido sucesso muito evidente nas práticas de meditação do Liber E e Liber HHH.
Por outro lado, qualquer sucesso nesta prática é de um caráter excessivamente alto, e o estudante é menos propenso à ilusão e auto-decepção nisso do que em quase qualquer outro que Nós tenhamos conhecimento.

1. Primeiro Ponto. O estudante deve primeiramente descobrir para si próprio a posição aparente do ponto em seu cérebro onde os pensamentos levantam-se, caso exista tal ponto.
Caso não haja, ele deve procurar a posição do ponto onde os pensamentos são julgados.

2. Segundo Ponto. Ele precisa também desenvolver em si mesmo uma Vontade de Destruição, até mesmo uma Vontade de Aniquilação. Isso pode ser aquilo que deve ser descoberto a uma imensurável distância do seu corpo físico. Contudo, é preciso que ele alcance, com isso ele precisa identificar-se ao menos com a perda de si mesmo.

3. Terceiro Ponto. Deixe então essa Vontade assistir vigilantemente o ponto onde os pensamentos se erguem, ou o ponto onde os pensamentos são julgados, e deixe todo pensamento ser aniquilado assim como sua percepção ou julgamento.

4. Quarto Ponto. Depois, deixe todos os pensamentos serem inibidos nessa ingestão.

5. Quinto Ponto. Depois, deixe ainda as causas ou tendências que caso no fim não sejam checadas nos pensamentos sejam descobertas e aniquiladas.

6. Sexto e Último Ponto. Deixe a verdadeira Causa de Tudo ser desmascarada e aniquilada.

7. Isso é o que foi dito por homens sensatos de antigos tempos a respeito da destruição do mundo pelo fogo; sim, da destruição do mundo pelo fogo.

8. Deixe o estudante lembrar que cada Ponto representa um término definitivo de grande dificuldade.

9. Não o deixe tentar o segundo até ele estar bem satisfeito com sua maestria sobre o primeiro.

10. Essa prática é também a que foi dita por Fra P. em uma parábola como se segue:

11. Indecente é um reduto de ladrão, cheio de ódio;
Ladrão estrangulando ladrão, e colega em guerra com colega,
Encarando incursores selvagens, todos desamparados ao Destino!
Não há nem saúde nem alegria nisto.
Masculinidade é covardia, e virtude é pecado.
A escuridão intolerável embainha-o nela.
Nem o coração do inferno tem uma máscara nociva assim;
Porém inofensiva e ilesa, e acalentada,
Enfraquecida em sua prisão uma donzela imaculada.
Encurralada pelo mago mestre para seu anseio,
Ela engana a sedução e ira dele,
O fogo que aniquila tudo do Deus Orador.
O Senhor das Hóstias doou ouvidos à canção dela:
O Senhor das Hóstias encerou irritado a sua injustiça.
Ele libertou a perseguição do céu de seu flagelo.
Violento e vívido atingiu-no a luz de um relâmpago.
Outrora a torre oscilada e quebrada abaixo de seu açoite,
Inextinguível fogo perpétuo; era cinza.
Mas aquele mesmo fogo que sufocava o rivalidade do assaltante,
E golpeia cada existência fora da luxúria e da vida,
Tornou a suave donzela numa esposa jubilosa.

12. E isso:

13. Existe um poço ante o Grande Trono Branco
Que está sufocado com o lixo das eras;
Cascalho e barro e sedimento e pedra,
Deleite dos lagartos e desespero dos sábios.
Apenas o relâmpago da mão Dele que assenta,
E deverá assentar quando os tiranos usurpadores caírem,
Pode purgar aquele sertão de vontades e sagacidades,
Deixe saltar aquela fonte em eternos saguões.

14. E isso:

15. Enxofre, Sal, e Mercúrio:
Qual é o mestre dos três?
Sal é a Senhora do Mar;
Senhor do Ar é Mercúrio.
Agora pela graça de Deus aqui está o sal
Fixado abaixo da abóbada violeta.
Agora pelo amor de Deus purgue-o através
Com nosso orvalho Hermético direito.
Agora pelo Deus que está em nossa fé
Sê nosso sábio mestre sal inflamável.
Então por último o Olho deverá ver
Três em Um e Um em Três,
Enxofre, Sal, e Mercúrio,
Coroados pela Alquimia Celestial!
Para o Um que remeteu os Sete
Glória no Céu Altíssimo!
Aos Sete que são os Dez
Glória sobre a Terra, Amen!

16. E das dificuldades dessa prática e dos Resultados que a recompensam, deixe essas coisas serem descobertas pelo certo Ingenium do Practicus.

8º Éter – Liber CCCCXVIII - Escrito por Aleister Crowley

Sigilo da Santa Fraternidade Astrum Argentum
A∴A∴
Publicação em Classe D

E assim fará quem quiser alcançar o mistério do conhecimento e conversação de seu Sagrado Anjo Guardião:

Primeiro, que ele prepare uma câmara cujas paredes e teto sejam brancos e o piso será coberto com um carpete quadriculado de preto e branco, e a borda deste será azul e dourada.
E se ela estiver numa cidade, a sala não possuirá janelas, estando no campo, então é melhor se a janela estiver no teto. Ou, se for possível, que esta invocação seja realizada em um templo preparado para o ritual da passagem através do Tuat.
Do teto pendurará uma lâmpada, na qual há um vidro vermelho, a queimar óleo de oliva. E essa lâmpada será limpa e preparada após a oração do poente e, abaixo dela haverá um altar, cúbico, & a altura será o triplo da metade ou o dobro da largura.
E sobre o altar estará um incensário, semiesférico, apoiado em três pernas, de prata, e dentro uma semiesfera de cobre, e sobre o topo uma grade de prata dourada, e em seguida ele queimará incenso feito de quatro partes de olíbano e duas partes de estoraque, e uma parte de lignum aloes, ou de cedro, ou de sândalo. E isto é o suficiente.
E ele também deixará preparado em um frasco de cristal no altar, óleo untado santo feito de mirra e canela e gengibre azul.
E mesmo sendo de grau mais elevado do que o de Probacionista, o robe de um deverá usar, pois a estrela de chamas mostra Ra Hoor Khuit abertamente sobre seu peito, e secretamente o triângulo azul descendente é Nuit e o vermelho ascendente é Hadit. E eu sou o Tau dourado no centro de suas bodas. Também, se for de sua escolha, ele poderá usar um roupão fechado de seda de tiro, púrpura e verde, e sobre ele um manto sem mangas, de azul brilhante, coberto com lantejoulas douradas, e escarlate por dentro.
E ele mesmo fará uma baqueta de madeira de amêndoa ou de castanha cortada por suas próprias mãos ao alvorecer do Equinócio, ou do Solstício, ou do dia de Corpus Christi, ou em um dos dias de festa indicados no “Livro da Lei”.
E ele entalhará com sua própria mão sobre a placa dourada, a Sagrada Tábua de Sete Partes ou a Sagrada Tábua de Doze Partes, ou algum desenho pessoal. E isso deverá ser enquadrado em um círculo, e o círculo será alado , ele irá prende-lo sobre a sua testa por uma tira de seda azul.
Além disso, ele usará uma faixa de louro ou rosa ou hera ou arruda, e diariamente, após a oração do amanhecer, irá queimá-la no fogo do incensário.
Agora ele orará três vezes por dia, por volta do pôr do sol, da meia-noite e do nascer do sol. E se ele for capaz, orará também quatro vezes entre o nascer e o pôr do sol.
A prece deverá perdurar pelo tempo de uma hora, pelo menos, e ele procurará estendê-la e inflamar-se em oração. Assim ele invocará o seu Sagrado Anjo Guardião por onze semanas, e em qualquer caso orará sete vezes por dia durante a última das onze semanas.
E durante todo esse tempo ele irá compor uma invocação tão satisfatória, com tanta sabedoria e compreensão quanto possam ser dados pela Coroa, devendo escrevê-la em letras douradas em cima do altar.
Pois o topo do altar será de madeira branca, bem polida, e no centro dela terá colocado um triângulo de carvalho, pintado de escarlate, e sobre este triângulo as três pernas do incensário devem ficar.
Além disso, ele copiará sua invocação em uma folha de puro papel velino branco, com tinta indiana, e ele a iluminará de acordo com sua imaginação e fantasia, isso será informado pela beleza.
E no primeiro dia da décima segunda semana ele entrará na câmara ao amanhecer, e fará sua prece, tendo antes queimado o conjuro feito sobre o papel velino no fogo da lâmpada.
Então, por sua oração, a câmara será preenchida com luz insuportável pelo esplendor, e um perfume intolerável pela doçura. E seu Sagrado Anjo Guardião aparecerá para ele, sim, seu Sagrado Anjo Guardião aparecerá para ele, de forma que ele penetrará nos Mistérios da Santidade.
E nesse dia ele permanecerá no prazer do conhecimento e conversação do Sagrado Anjo Guardião.
E durante os três dias seguintes permanecerá no templo do nascer ao pôr-do-sol, e obedecerá as determinações que seu Anjo lhe terá dado, e sofrerá aquelas coisas que a ele são designadas.
E por dez dias após isso irá se retirar como dito a ele pela plenitude dessa comunhão, pois ele precisa harmonizar o mundo que está dentro com o mundo que está fora.
E ao final dos noventa e um dias ele deverá retornar ao mundo, e lá realizará aquela obra a qual o Anjo o terá designado.
E mais do que isto não é necessário dizer, pois seu Anjo o rogará amavelmente, e mostrará de que maneira ele poderá estar mais perfeitamente envolvido. E ante ele que tem este Mestre não há nada mais de que ele precise, enquanto continuar no conhecimento e conversação do Anjo, para que adentre, afinal, na Cidade das Pirâmides.

Duas Lições Sobre o I Ching - Escrito por Aleister Crowley

Lição 1

O que é o I Ching? O título significa “O Livro das Mutações” e as primeiras informações que temos sobre ele é que é composto originalmente pelos Trigramas de Fu Xi, sendo criados por volta de 3322 a.C. Devemos aprender no devido tempo o que estes são, como toda a filosofia deve derivar da contemplação da origem das coisas. Toda filosofia sã deve começar com a concepção do Zero, pois se começarmos com qualquer outra concepção, temos uma condição desequilibrada, e, portanto, que não pode ser original. E então a questão que se repete é: “Como isso veio a ser?” Para nossos Irmãos chineses, com essa paixão irresistível pelo equilíbrio (que se manifesta em todos os mínimos detalhes de sua própria vida diária), tal consideração é evidentemente fundamental.
Na filosofia brâmane, os Rishis explicaram o Universo dizendo que Deus o criou. A pergunta surgiu imediatamente, “Quem criou Deus?” Para responder a isso, era necessário tornar Deus auto-suficiente. Portanto, eles começaram a analisar suas atribuições. No final, verificou-se que quaisquer atribuições positivas não apenas implicavam limitações, como também retornavam diretamente à massa original de ignorância. E consequentemente eles foram forçados a concluir negando todas as qualidades ou quantidades, seja quais forem, ao Deus supremo, Parabrahman. Em outras palavras, eles se viram obrigados a reduzir o seu Deus a Nada. Os chineses, sendo mais práticos, cortaram todo o desperdício de trabalho tendo começado com o “Nada” do “Grande Extremo”, que realmente podemos considerar como o equivalente do Tao. Nós representamos geometricamente este Tao por um ponto. Mas desde que este Tao não é apenas Nada mas também inexistente em relação a todos os outros predicados possíveis, verifica-se na análise que uma coisa que não é de modo algum nenhuma coisa pode muito bem ser considerada como algo. Se dissermos que nenhum ovo não está em um cesto, nós meramente inventamos um jeito complicado de dizer que alguns ovos estão no cesto. (Desenhar um diagrama de Euler para ilustrar isso.) [Nota de Frater S.R.: Não segue.]
Agora, no curso da análise hindu, enquanto eles estavam tentando determinar as qualidades de Deus, eles se depararam com um fenômeno que eles chamam de “os pares de opostos”. O mais importante é entender essa necessidade de pensamento: que a nossa tentativa de resolver o problema filosoficamente é completamente destruída logo que admitimos dois lados de uma equação que não se cancelam exatamente. Os chineses, ao perceber que o Tao (neste contexto o chamaram de Tai Ji) é tão puramente “Nada” que deve ser “Algo”; ou pelo menos capaz de apreensão simbolizando-no como “Algo”. Então eles tomaram um par de opostos original e chamaram a estes de “Yi” ou “Yao”. Estas linhas são chamadas, respectivamente, Yang e Yin; o Yang sendo uma linha contínua e o Yin uma linha dividida. Estes correspondem ao princípio masculino e feminino da natureza. Eles podem ser chamados de o Pai e a Mãe. Então o Tao simplesmente se divide em Tao e Te, Shiva e Shakti. Agora vemos quão impressionante é a identidade com a teologia hebraica em relação ao Tetragrammaton. (Eu tratei profundamente deste assunto em meu ensaio sobre o Tarô).
Temos então uma fórmula de geração e desenvolvimento por esta equação: 1=(-1)=0, ou melhor, 0=1=(-1).
Mas a fim de progredir a qualquer complexidade maior, não é o suficiente tomar duas coisas uma por vez; elas permanecem simplesmente duas. Devemos, portanto, tomá-las duas a duas. E assim alcançar o que os chineses chamam de Xiang. São eles:
  1. O grande ou velho Yang ⚌
  2. O jovem Yin ⚎
  3. O jovem Yang ⚍
  4. O grande ou velho Yin ⚏
Os filósofos chineses descobriram que essas quatro combinações ainda eram bastante inadequadas, talvez da mesma forma como é impossível fazer um quadrado mágico de quatro células, duas a duas. O grande Fu Xi, portanto, decidiu considerar as combinações de duas coisas tomadas três ao mesmo tempo, e assim definir as bases de todo o I por seu Gua, ou Trigamas. Estes são, é claro, em número de oito.

 

Lição 2

Neste ponto, a erudição não iniciada começou a causar problemas. As atribuições de Fu Xi não eram devidamente compreendidas, e em 1185 AC, ou por aí, o Rei Wen deu uma ordem e um conjunto de atribuições completamente diferentes para o Gua, que se mostrou bastante insatisfatória. Ele também erigiu um sistema comum de adivinhação, considerando a combinação de duas coisas tomadas seis de cada vez, e por sua vez colocando cada Trigrama sobre o topo de cada um dos demais. Assim, ele obteve as 64 figuras ou hexagramas do I Ching. Para cada Hexagrama ele forneceu um breve comentário chamado de Tuan. Seu filho, o Duque de Zhou, escreveu um comentário sobre cada linha individual de cada Hexagrama. O livro por esta altura havia se tornado bastante reverenciado pelos estudiosos em geral, mas sua capacidade não parece ter sido igual ao seu entusiasmo. Em particular, há uma série de comentários atribuídos a Confúcio, muitos deles sendo quase que certamente espúrios.
Todo este problema surgiu da incapacidade de manter a precisão matemática da concepção original. Os chineses têm sido sempre prejudicados pela ideografia de seu sistema; sua linguagem nunca progrediu além do estágio aglutinativo, e eles cultivaram uma tendência muito irritante de serem poéticos e pictóricos. O sistema do I, considerado corretamente, é extremamente simples e adequado, e revela-se, em exame, como sendo idêntico ao sistema da Santa Cabala.
Voltemos à consideração do Gua. Quatro destes mostram o ⚊ e suas modificações, quatro deles, o ⚋. Há uma espécie de hierarquia descendente, que inevitavelmente sugere as Sephiroth. O mais importante é verificarmos o equilíbrio das coisas a cada passo em nosso caminho. Sempre que alguma coisa perde o equilíbrio, torna-se imperfeita. O primeiro dos Trigramas, ☰, é a explicação perfeita da ideia masculina, sem qualquer partida da simplicidade, além da mera multiplicação do símbolo. Portanto é chamado de Qian, que é o Lingam do Céu. No outro extremo da escala está ☷, que é chamado de Ku, isto é, Yoni, ou Terra, e corresponde exatamente a Qian.
A primeira depreciação da perfeição da simplicidade masculina é a interferência equilibrada pelo ⚋ e assim obtemos o símbolo Li, ☲, significando o Sol e correspondente a Kan, ☵, que é a Lua. Estes também são chamados de Tai Yang e Tai Yin. O Sol e a Lua são, portanto, por assim dizer, representantes materialmente potentes das ideias puramente espirituais de Lingam e Yoni. Isso, de fato, dá a chave para o livro. O caractere chinês que significa I Ching é composto dos caracteres para o Sol e a Lua.
As mudanças descritas neste Livro das Mutações são alterações produzidas pela interação do Sol e da Lua. Todo fenômeno sendo um ato de amor sob vontade, podemos perceber como os chineses consideraram esta questão; tudo o que acontecia era o resultado de alguma interação dos princípios solar e lunar.
Existem, porém, mais quatro Kwa, mas estes não podem ser equilibrados como Lingam e Yoni, ou como o Sol e a Lua. Eles possuem uma mancha definitiva da imperfeição e correspondem precisamente aos “quatro elementos” da filosofia cabalística. Ao atribuir estes, somos auxiliados consideravelmente pelo efeito pictórico. O trigrama Sun ☴ sugere a atmosfera abaixo do abismo indissolúvel do Céu. Dui, Água ☱, sugere uma onda do abismo indissolúvel do fundo do mar. Zhen, Fogo ☳, sugere as chamas ascendentes tremulantes sobre a lareira. E Gen ☶, lembra-nos da crosta terrestre sobre o núcleo pastoso. Isso, é claro, é muito vago, mas é muito chinês. Felizmente, não somos inteiramente dependentes da tradição, porque quando viemos a colocar estas onze figuras sobre a Árvore da Vida, descobrimos não apenas um equilíbrio absoluto em si, mas uma perfeita correspondência com as atribuições tradicionais das Sephiroth. (Ver o diagrama)
[Diagrama relacionando os trigramas, o Tao e o Yin e Yang à Árvore da Vida]