quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Sepher Yetzirah - por James Eshelman

Prefácio

O Sefer Yetziyrah, "O Livro da Formação", é o mais antigo texto cabalístico conhecido. É a chave para o Zohar, que o precede em muitos séculos.
O Sefer Yetziyrah também é a chave para as atribuições mais importantes do Tarô, essa codificação pictórica da sabedoria iniciática da Tradição Cabalística Hermética. Um ensinamento de longa data dentro das escolas de mistério do Ocidente, apoiada por evidência interna abundante, é o de que os Arcanos Maiores do Tarô foram projetados intencionalmente para estar em conformidade com as atribuições técnicas das 22 letras hebraicas, conforme detalhadas no Sefer Yetziyrah. As mais importantes destas atribuições e correspondências estão resumidas numa Apêndice à presente monografia.

 

II

Quantos anos tem o Sefer Yetziyrah? Ninguém sabe ao certo. Para piorar a questão existe o fato de que este pequeno livro cresceu ao longo dos séculos, algumas partes dele existindo muito antes de algumas de suas apêndices mais recentes.
Nós sabemos o seguinte:
Um trabalho chamado Sefer Yetziyrah é mencionado logo no primeiro século d.C., com uma história que o teria trazido de volta pelo menos um século antes. O Sefer Yetziyrah também é mencionado no Talmude, que foi escrito entre o 3º século e logo no começo do 5º século d.C. No entanto, não há certeza de que este trabalho inicial foi o mesmo documento que hoje conhecemos como Sefer Yetziyrah.
Já no 5º ou 6º século d.C., o próprio texto foi citado em outras obras. Então o que é citado é reconhecido como parte do presente manuscrito.
Eu vim a aceitar a primeira destas datas (1º século a.C., ou, em qualquer caso, uma data pré-Talmudiana) pelo seguinte motivo: o hebraico do Sefer Yetziyrah, quase sem exceção, é hebraico bíblico. Isso não depende do vocabulário rabínico característico emergente no primeiro milênio d.C., como foi catalogado por Jastrow em seu Sefer Meliym [<SPHR MLYM: Dicionário de Literarura Targumim, Talmud Babli, Yerushalmi e Midrashica compiladas pelo Prof. Marcus Jastrow, Ph . D. Litt. D., Filadélfia, 1903.]. Isto está em nítido contraste (por exemplo) aos 32 caminhos da Sabedoria, que dependem muito do vocabulário rabínico pós-diáspora.
Os comentários sobreviventes mais antigos sobre Sefer Yetziyrah datam a partir do século X ou um pouco mais cedo. Comentários a três versões de Sefer Yetziyrah (as versões Saadia, Longa e Curta, respectivamente) apareceram em 931, 946 e 956 d.C. Os manuscritos sobreviventes mais antigos da obra datam de quase imediatamente a seguir. Das quatro principais versões variantes de Sefer Yetziyrah, o manuscrito mais antigo da Versão Longa (agora na Biblioteca do Vaticano), data do século X ou XI; o da Versão Saadia, a partir do século XI; e o da Versão Curta, a partir do século XIII. No entanto, cópias mais antigas do que estas existiram, conforme comprovado pelos comentários do século X.
A chamada Versão Gra-Ari veio muito mais tarde. Foi editada a partir de inúmeras versões variantes manuscritas, em meados do século XVI, pelo rabino Moshe Cordevero e, posteriormente, mais refinada pelo rabino Yitzkchak Luria, chamado Ari. A "Versão Ari" resultante foi editada ainda pelo rabino Eliahu (chamado Gra) no século XVIII, e depois foi conhecida como a Versão Gra-Ari (ou simplesmente Gra).

 

III

As quatro versões principais do Sefer Yetziyrah têm mais semelhanças do que diferenças, embora a Versão Saadia difere mais das outras - em alguns lugares grandemente, especialmente no que diz respeito ao arranjo do material de texto. Ela também exclui completamente a maior parte do texto atributivo que é de grande interesse para nós. As outras três são bastante similares, com a Versão Curta e a Versão Longa sendo as mais semelhantes (só que esta última, é claro, maior), e a Versão Gra se assemelha fortemente com a Versão Longa (mas com inúmeras mudanças de atribuições às letras).
No que diz respeito à popularidade, as versões Curta e Gra claramente se sobresaem às outras. A Versão Curta provavelmente foi a publicada com mais frequencia, sejam nos tempos antigos ou modernos. Em comparação, a Versão Gra foi a criação sintética de cabalistas hebreus dos séculos XVI a XVIII, que eram particularmente cuidadosos em trazer seus detalhes técnicos em conformidade com certos elementos do Zohar.
Foi, assim, a Versão Gra que o falecido rabino Aryeh Kaplan usou em seu soberbo "Sefer Yetzirah: The Book of Creation in Theory & Practice". Este trabalho popular é um dos melhores textos práticos sobre a Cabala hebraica tradicional, e merece atenção de todos os estudantes sérios.
No entanto, esses ensinamentos que evoluiram para a Tradição Cabalística Hermética da Europa, a base real de toda a Tradição dos Mistérios Ocidental desde os tempos medievais até hoje, rompeu com os séculos de Cabala hebraica antes da produção sintética da Versão Ari do Sefer Yetziyrah. Não há nenhuma razão para presumir que a posterior tradição hebraica sintética foi mais fiel aos ensinamentos originais do que eram os repositórios não-hebraicos de Ensinamentos da Sabedoria. A medida em que há diferença prática significativa entre as versões Gra e Curta do Sefer Yetziyrah, é nas atribuições pelas quais as 22 letras hebraicas são caracterizadas; e a Tradição Hermética, tão antigamente quanto se possa traçar, utilizou as mesmas atribuições dadas na Versão Curta original, não as posteriores da Ari ou Gra.

 

IV

Comecei a trabalhar nesta presente tradução no final de 1980, e publiquei uma versão estável em 1996. Originalmente, eu tinha uma visão muito menos grandioso de até onde os meus esforços levariam. Décadas atrás, a minha primeira exposição ao Sefer Yetziyrah envolveu a tradução inglesa de 1887 por William Wynn Westcott (que passou, mais tarde naquele mesmo ano, a se tornar um dos fundadores da Ordem da Golden Dawn). O breve artigo sobre o Sefer Yetziyrah, escrito por Westcott durante este mesmo período e incluídos no Glossário Teosófico de H.P. Blavatsky, resumiu o trabalho da seguinte forma:
Sepher Yetzirah (Heb.). "O Livro da Formação". Uma obra cabalística muito antiga atribuída ao patriarca Abraão. Ela ilustra a criação do universo por analogia com o 22 letras do alfabeto hebraico, distribuídas em uma tríade, uma héptade, e uma duodécada, correspondendo às três letras-mãe, A, M, S, aos sete planetas, e aos doze signos do Zodíaco. Está escrita em neo-hebraico de Mishná.
A tradução de Westcott foi baseada em diversos códices hebraicos comparados uns com os outros, com três manuscritos latinos principais. O resultado final se assemelhava muito a uma variação da Versão Curta, com segmentos adicionais inseridos nas edições posteriores e marcadas como suplementares. Por muitas décadas, a tradução de Westcott geralmente foi a mais disponível, e a mais importante para qualquer um que siga os passos místicos e mágicos da Golden Dawn.
Minha queixa inicial sobre a tradução Westcott era pequena, mas saliente: Quando o texto se referia a "Deus", Westcott nem sempre dizia a qual "Deus" os textos em hebraico se destinavam. Sendo um estudante novo da Cabala na época, eu queria saber qual era o original hebraico dos diversos títulos técnicos da Deidade, incluindo aqueles que Westcott não quis fornecer.
Portanto, eu me atraí mais entusiasmado e por primeiro com a edição do Rabino Kaplan, quando ela apareceu pela primeira vez em 1990, porque ele incluiu o texto hebraico completo de uma versão da obra (a Versão Gra). No entanto, através de muitas horas de frustração, descobri muitos erros de digitação no seu texto publicado em hebraico (e alguns erros que claramente não eram nada mais do que a colagem incorreta do hebraico na página pela editora). Isso é lamentável, e exigiu uma certa quantia de tempo para pegar e corrigir.
Eu me tornei capaz de responder às minhas perguntas originais sobre o Nomes-Divinos rapidamente e, ao longo do caminho, desenvolvi grande respeito pela obra do Rabino Kaplan. Para os meus alunos no College of Thelema e Temple of Thelema eu teria cordialmente recomendado o volume de Kaplan como a tradução definitiva se não fosse por um motivo: Por sua confiança sobre a Versão Gra, favorecida por cabalistas hebreus mais recentes, Kaplan estava seriamente em desacordo com a Tradição Hermética Cabalística no que diz respeito às atribuições básicas das letras hebraicas.
Não há mais evidência histórica de que as atribuições herméticas estejam corretas do que há de que as hebraicas estejam corretas. Há, no entanto, documentação clara de que as atribuições herméticas modernas (não-hebraicas) são séculos mais antigas do que o modelo rabínico, e antiguidade é a base comum para a reivindicância de autenticidade da Cabala Hebraica. O fato de que um ensinamento cabalístico em particular é hebraico por si só não representa sua autenticidade e nem mesmo sua precedência histórica. A Versão Gra do Sefer Yetziyrah preferida por Kaplan e seus colegas rabínicos foi produzida por uma comissão de mais de meio milênio depois do que se SABE que o Sefer Yetziyrah existia. Se fôssemos confiar no registro histórico disponível, e nas conclusões razoáveis nele baseadas, teríamos de concluir que as atribuições das 22 letras conforme listadas na Versão Curta muito provavelmente são as corretas.
Mas não precisamos chegar a uma tal conclusão final. Nós não precisamos nem mesmo questionar a abordagem rabínica em seu próprio contexto. Em última análise, precisamos apenas afirmar que a Tradição Cabalística Hermética iniciática, da qual o Temple of Thelema é um receptor, emprega um conjunto de atribuições que são aquelas da Versão Curta do Sefer Yetziyrah, e que estruturam um sistema independente de tremenda eficácia. Nós não precisamos dar desculpas para empregar o que foi provado, em muitos níveis entrelaçados, para trabalhar.
Portanto, para esta presente edição, eu confiei principalmente na versão hebraica Gra publicada por Kaplan - o melhor e mais completo texto hebraico do Sefer Yetziyrah [até então] disponível a mim - e alterei as atribuições em certas passagens em conformidade com aquelas dadas na Versão Curta. Quando isso foi feito, é indicado nas notas de rodapé. Eu retraduzi o texto hebraico completo em inglês para a primeira edição em 1996. Com a perspectiva mais madura que o tempo e posteriores iniciações proveram, eu o examinei e revi consideravelmente em 2007, para esta terceira edição revisada. [Os títulos dos capítulos não estão no original e foram fornecidos pelo tradutor.]
O capítulo 4, versos 8 a 14 estão entre aqueles que foram adicionadas por grupos desconhecidos no final da história do Sefer Yetziyrah. Eles resumem as atribuições das sete Letras Duplas, e diferem muito de edição a edição. O mesmo é verdadeiro para os versículos 7 a 10 do Capítulo 5, que diz respeito às doze Letras Simples. Seguindo uma tradição de longa data cabalística, eu também incluí esses versos, substituindo minhas próprias atribuições preferidas (aquelas que foram transmitidas através da Tradição Hermética esotérica). A diferença entre eu fazer isso e eles fazerem isso - é que eu estou dizendo aos meus leitores o que estou fazendo!

 

V

Com essas poucas explicações, eu ofereço e dedico esta tradução anotada de Sefer Yetziyrah para aqueles que procuram saber que possam servir.
James A. Eshelman
Los Angeles, Califórnia
29 de julho de 2007 E.V.

 

Capítulo 1 - As Sefiyroth & A Criação

1. Em 32 Caminhos de Sabedoria místicos inscreveu Yah, Y.H.V.H. Tzabaoth, o Deus de Israel, o Deus Vivo e Rei do Universo, El Shaddai, o misericordioso e benevolente, o alto e exaltado, habitante da Eternidade, cujo Nome é Santo - exaltado e santo Ele é. Ele criou Seu universo por três formas de expressão - por Letra, Número e Som.
2. Dez sefiyroth inefáveis e 22 Letras de Fundamento - três Mães, sete Duplas e doze Simples.
3. Dez sefiyroth inefáveis, no número dos dez dedos, cinco combinados com cinco, e um pacto único no meio, pela palavra [ou circuncisão] da língua, e pela circuncisão [ou palavra] dos órgãos genitais.
4. Dez inefáveis sefiyroth - dez e não nove, dez e não onze. Compreenda em Sabedoria, e seja sábio na Compreensão. Examine com elas, e investigue a partir delas. Faça cada coisa basear-se em sua própria essência. Restaure o Antigo a Seu Fundamento.
5. Dez sefiyroth inefáveis: Delas é uma medida décupla, sem fim. Um abismo de início, um abismo de fim; um abismo de bem, um abismo de mal; um abismo acima, um abismo abaixo; um abismo ao leste, um abismo ao oeste; um abismo ao norte, um abismo ao sul. O único Senhor, Deus o Rei Fiel, governa todos estes de Sua santa morada por toda a Eternidade.
6. Dez sefiyroth inefáveis: a imagem mística Delas é como o relâmpago. Seu cumprimento é ilimitado. Sua Palavra está nelas "fugindo e voltando". Elas rapidamente vão à Sua declaração como um redemoinho. Elas se curvam diante de Seu Trono.
7. Dez sefiyroth inefáveis, cujo fim é inerente a seu princípio, e seu princípio em seu fim, como uma chama em um carvão em brasa. Pois o Senhor é solitário, Ele não tem segundo; antes do Um, o que você conta?
8. Dez sefiyroth inefáveis. Sele sua boca contra o discurso, e seu coração contra o pensamento; e se o seu coração escapa de você, volte ao lugar. Está escrito, portanto, "O Chayyoth fugindo e voltando". Em relação a isso, um pacto foi feito.
9. Dez sefiyroth inefáveis. Um: o Sopro (ou Espírito) do Deus vivo, abençoado e bendito seja o Seu Nome, o Deus Vivo dos Æons. Voz, Sopro e Fala, este é o Espírito Santo.
10. Dois: Ar do Espírito. Ele gravou e esculpiu com isso as 22 Letras de Fundamento - três Mães, sete Duplas e doze Simples. E o Espírito Único é delas.
11. Três: Água do Ar. Ele gravou e esculpiu com isso as 22 letras do informe e vazio, a lama e o barro. Ele gravou-as como uma espécie de jardim; Ele as esculpiu como um tipo de parede; Ele as cobriu como uma espécie de teto.
12. Quatro: Fogo da Água. Ele gravou e esculpiu com isso um Trono de Glória, Serafiym, Ofanniym, e Chayyoth ha-Qodesh, e os anjos que servem a Deus. A partir destes três Ele fundou Sua morada, conforme está escrito: "Que faz de Seus anjos espírito, e de Seus ministros labaredas de fogo".
13. Ele selecionou três letras dentre as Simples - no mistério das três Mães, Alef, Meym e Shiyn - e as colocou em Seu Grande Nome, e com elas selou a seis direções.
Cinco: Ele olhou para cima e selou a Altura com Y.H.V.
Seis: Ele olhou para baixo, e selou a Profundidade com Y.V.H.
Sete: Ele olhou para a frente, e selou o Leste com H.Y.V.
Oito: Ele olhou para trás, e selou o Oeste com H.V.Y.
Nove: Ele olhou para a direita, e selou o Sul com V.Y.H.
Dez: Ele olhou para a esquerda, e selou o Norte com V.H.Y.
14. Estes são as dez sefiyroth inefáveis: o Espírito do Deus Vivo, Ar do Espírito, a Água do Ar, o Fogo da Água; e Acima, Abaixo, Leste, Oeste, Sul, Norte.

 

Capítulo 2 - As Vinte e Duas Letras de Fundamento

1. Vinte e duas Letras de Fundamento: três Mães, sete Duplas e doze Simples. As três Mães são Alef, Meym e Shiyn: Seu fundamento é um prato da balança do mérito, uma prato da balança da responsabilidade, e uma língua de decreto entre estes. Três Mães, Alef, Meym e Shiyn. Meym é silenciosa, Shiyn sibila, e Alef é o sopro de ar reconciliando entre eles.
2. Vinte e duas Letras de Fundamento: Ele as gravou, as esculpiu, as refinou, as pesou, e as transformou. Ele formou por elas tudo que é formado e tudo o que está pronto para ser formado.
3. Vinte e duas Letras de Fundamento: Ele as gravou pela voz as esculpiu pela respiração. Ele as colocou na boca em cinco lugares: Alef, Cheyth, Heh, A'ayin na garganta; Gimel, Kaf, Yod, Qof no palato; Daleth, Teyth, Lamed, Noon, Tav na língua; Zayin, Samekh, Shiyn, Reysh, Tzaddiy nos dentes; e Vav, Meym, Peh nos lábios.
4. Vinte e duas Letras de Fundamento: Ele as colocou em um círculo como um muro com 231 portas. O círculo gira para a frente e para trás. Um sinal para essa coisa: Não há bem maior do que Deleite (ONG), e não há mal maior do que a Praga (NGO).
5. Como? Ele refinou, pesou, e as transformou cada uma: Alef com todas, e todas com Alef; Beyth com todas, e todas com Beyth. Elas repetem ciclicamente e existem em 231 portas. Assim, tudo que é formado e tudo o que é falado emana do Nome Único.
6. Ele formou substância a partir do informe. Ele tornou Nada em Algo. Ele atravessou vastos pilares de ar intangível. Isso é um sinal, Alef com tudo, e tudo com Alef. Ele testemunha, transforma e faz tudo o que é formado e tudo o que é falado, o Nome Único. Um sinal disso é: as 22 coisas em um único corpo.

 

Capítulo 3 - As Três Letras Mãe

1. Três Mães, Alef, Meym e Shiyn: Seu fundamento é um prato da balança do mérito, uma prato da balança da responsabilidade, e uma língua de decreto entre estes.
2. Três Mães, Alef, Meym, Shiyn: Um grande e místico segredo, velado e selado por seis anéis. Deles emanaram o Ar, a Água e o Fogo; e deles nasceram os Pais; e dos Pais, os descendentes.
3. Três Mães, Alef, Meym, Shiyn: Ele as gravou, as esculpiu, as refinou, as pesou, e as transformou. Ele formou por elas: três Mães, Alef, Meym, Shiyn, no universo; três Mães, Alef, Meym, Shiyn, no ano; três Mães, Alef, Meym, Shiyn, na alma, masculina e feminina.
4. Três Mães, Alef, Meym, Shiyn, no Universo são Ar, Água, Fogo. O céu foi criado a partir de Fogo, e a terra a partir da Água; e o Ar, do Sopro (ou Espírito), reconcilia entre eles.
5. Três Mães, Alef, Meym, Shiyn, são o quente, o frio e o clima temperado no ano. Do Fogo é criado o quente; da Água é criado o frio; e do Sopro é criado o estado do clima temperado, a conciliação entre eles.
6. Três Mães, Alef, Meym, Shiyn, na alma, masculina e feminina, estão na cabeça, na barriga e no peito. Do Fogo foi criada a cabeça; da Água, a barriga; e do Sopro, o peito, a conciliação entre eles.
7. Ele fez a letra Alef reinar sobre o Sopro, e Ele sujeitou a ela uma Coroa; e Ele combinou uma com a outra. Ele formou com elas o Ar no universo, o clima temperado no ano, e o peito na alma: a masculina por Sh M A e a feminina por M A Sh.
8. Ele fez a letra Meym reinar sobre a Água, e Ele sujeitou a ela uma Coroa; e Ele combinou uma com a outra. Ele formou com elas a terra no universo, o frio no ano, e a barriga na alma: a masculina por Sh A M e a feminina por A Sh M.
9. Ele fez a letra Shiyn reinar sobre o Fogo, e Ele sujeitou a ela uma Coroa; e Ele combinou uma com a outra. Ele formou com elas o céu no universo, o calor no ano, e a cabeça na alma: a masculina por M A Sh e a feminina por A M Sh.

 

Capítulo 4 - As sete letras duplas

1. Sete Letras Duplas: Beyth, Gimel, Daleth, Kaf, Peh, Reysh, Tav. Elas [cada] dão duas expressões: uma forma suave e rígida, forte e fraca.
2. Sete Letras Duplas: Beyth, Gimel, Daleth, Kaf, Peh, Reysh, Tav. Seu fundamento é Vida, Paz, Sabedoria, Riqueza, Graça, Semente e Domínio.
3. Sete Letras Duplas: Beyth, Gimel, Daleth, Kaf, Peh, Reysh, Tav, no discurso e na permuta. O oposto da Vida é a Morte. O oposto da Paz é a Guerra. O oposto da Sabedoria é a Tolice. O oposto da Riqueza é a Pobreza. O oposto da Graça é a Feiúra. O oposto da Semente é a Esterilidade. O oposto do Domínio é a Escravidão.
4. Sete Letras Duplas: Beyth, Gimel, Daleth, Kaf, Peh, Reysh, Tav. Acima e abaixo, leste e oeste, norte e sul, e o Palácio da Santidade no centro e suportando todas as coisas.
5. Sete Letras Duplas: Beyth, Gimel, Daleth, Kaf, Peh, Reysh, Tav. Sete e não seis, sete e não oito. Examine com elas, e investigue a partir delas. Faça cada coisa basear-se em sua própria essência. Restaure o Antigo a Seu Fundamento.
6. Sete Letras Duplas: Beyth, Gimel, Daleth, Kaf, Peh, Reysh, Tav, um fundamento. Ele as gravou, as esculpiu, as refinou, as pesou, e as transformou. Ele formou por elas os sete planetas no universo, os sete dias na semana, [e] as sete portas na alma, masculina e feminina.
7. Sete planetas no universo: Saturno, Júpiter, Marte, Sol, Vênus, Mercúrio, Lua. Sete dias no ano: os sete dias da semana. Sete portões na alma, masculina e feminina: dois olhos, duas orelhas, duas narinas e a boca.
8. Ele fez a letra Beyth reinar sobre a Vida, e Ele sujeitou a ela uma Coroa; e Ele combinou uma com a outra, e formou com elas Mercúrio no universo, a quarta-feira no ano, e a boca na alma, masculina e feminina.
9. Ele fez a letra Gimel reinar sobre a Paz, e Ele sujeitou a ela uma Coroa; e Ele combinou uma com a outra, e formou com elas a Lua no universo, a segunda-feira no ano, e o olho esquerdo na alma, masculina e feminina.
10. Ele fez a letra Daleth reinar sobre a Sabedoria, e Ele sujeitou a ela uma Coroa; e Ele combinou uma com a outra, e formou com elas Vênus no universo, a sexta-feira no ano, e a narina esquerda na alma, masculina e feminina.
11. Ele fez a letra Kaf reinar sobre a Riqueza, e Ele sujeitou a ela uma Coroa; e Ele combinou uma com a outra, e formou com elas Júpiter no universo, a quinta-feira no ano, e a orelha esquerda na alma, masculina e feminina.
12. Ele fez a letra Peh reinar sobre a Graça, e Ele sujeitou a ela uma Coroa; e Ele combinou uma com a outra, e formou com elas Marte no universo, a terça-feira no ano, a narina direita na alma, masculina e feminina.
13. Ele fez a letra Reysh reinar sobre a Semente, e Ele sujeitou a ela uma Coroa; e Ele combinou uma com a outra, e formou com elas o Sol do universo, o domingo no ano, e o olho direito na alma, masculina e feminina.
14. Ele fez a letra Tav reinar sobre o Domínio, e Ele sujeitou a ela uma Coroa; e Ele combinou uma com a outra, e formou com elas Saturno no universo, o sábado no ano, e a orelha direita na alma, masculina e feminina.
15. Sete Letras Duplas: Beyth, Gimel, Daleth, Kaf, Peh, Reysh, Tav. Por elas foram gravados sete universos, sete céus, sete terras, sete mares, sete rios, sete selvas desertas, sete dias, sete semanas, sete anos, sete anos sabáticos, sete jubileus, e o Templo Sagrado. Assim, Ele tornou os setes amados em todos os céus.
16. Duas pedras constroem duas casas; três pedras constroem seis casas; quatro pedras constroem 24 casas; cinco pedras de constroem 120 casas; seis pedras constroem 720 casas; sete pedras constroem 5.040 casas. E, além disso, vá em frente e calcule o que a boca não pode falar e o ouvido não pode ouvir.

 

Capítulo 5 - As Doze Letras Simples

1. Doze Letras Simples: Heh, Vav, Zayin, Cheyth, Teyth, Yod, Lamed, Noon, Samekh, A'ayin, Tzaddiy, Qof. Seu fundamento é a Visão, Audição, Olfato, Fala, Paladar, Coito, Trabalho, Movimento, Ira, Riso, Pensamento ou Meditação, Sono.
2. Doze Letras Simples: Heh, Vav, Zayin, Cheyth, Teyth, Yod, Lamed, Noon, Samekh, A'ayin, Tzaddiy, Qof. Seu fundamento é de doze fronteiras diagonais: a fronteira Nordeste, a fronteira Sudeste, a fronteira Leste-Acima, a fronteira Leste-Abaixo, a fronteira Norte-Acima, a fronteira Norte-Abaixo, a fronteira Noroeste, a fronteira Sudoeste, a fronteira Oeste-Acima, a fronteira Oeste-Abaixo, a fronteira Sul-Acima, a fronteira Sul-Abaixo. Estes se estendem infinitamente, através da Eternidade. Eles são os limites do universo.
3. Doze Letras Simples: Heh, Vav, Zayin, Cheyth, Teyth, Yod, Lamed, Noon, Samekh, A'ayin, Tzaddiy, Qof. Seu Fundamento é Ele, as gravou, as esculpiu, as refinou, as pesou, e as transformou. Ele formou por elas as doze constelações zodiacais no universo, os doze meses no ano, e as doze condutores na alma, masculina e feminina.
4. Doze constelações do zodíaco no universo: Áries, Touro, Gêmeos, Câncer, Leão, Virgem, Libra, Escorpião, Sagitário, Capricórnio, Aquário e Peixes.
5. Doze meses do ano: Nisan, Iyyar, Sivan, Tamuz, Ab, Elul, Tishri, Cheshvan, Kislev, Tebet, Shebat e Adar.
6. Doze condutores na alma, masculina e feminina: duas mãos, dois pés, dois rins, a vesícula biliar, os intestinos, o fígado, a moela, o estômago, o baço.
7. Ele fez a letra Heh reinar sobre a visão, e Ele sujeitou a ela uma Coroa; e Ele combinou uma com a outra, e formou com elas Aquário no universo, Shebat no ano, e qebah na alma, masculina e feminina.
Ele fez a letra Vav reinar sobre a audição, e Ele sujeitou a ela uma Coroa; e Ele combinou uma com a outra, e formou com elas Touro no universo, Iyyar no ano, e a mão esquerda na alma, masculina e feminina.
Ele fez a letra Zayin reinar sobre o olfato, e Ele sujeitou a ela uma Coroa; e Ele combinou uma com a outra, e formou com elas Gêmeos no universo, Sivan no ano, e o pé direito na alma, masculina e feminina.
8. Ele fez a letra Cheyth reinar sobre a fala, e Ele sujeitou a ela uma Coroa; e Ele combinou uma com a outra, e formou com elas Câncer no universo, Tammuz no ano, e o pé esquerdo na alma, masculina e feminina.
Ele fez a letra Teyth reinar sobre o paladar, e Ele sujeitou a ela uma Coroa; e Ele combinou uma com a outra, e formou com elas Leão no universo, Ab no ano, e o rim direito na alma, masculina e feminina.
Ele fez a letra Yod reinar sobre o coito, e Ele sujeitou a ela uma Coroa; e Ele combinou uma com a outra, e formou com elas Virgem no universo, Elul no ano, e o rim esquerdo na alma, masculina e feminina.
9. Ele fez a letra Lamed reinar sobre o trabalho (karma), e Ele sujeitou a ela uma Coroa; e Ele combinou uma com a outra, e formou com elas Libra no universo, Tishri no ano, e a vesícula biliar na alma, masculina e feminina.
Ele fez a letra Noon reinar sobre o movimento, e Ele sujeitou a ela uma Coroa; e Ele combinou uma com a outra, e formou com elas Escorpião no universo, Cheshvan no ano, e os intestinos na alma, masculina e feminina.
Ele fez a letra Samech reinar sobre a ira, e Ele sujeitou a ela uma Coroa; e Ele combinou uma com a outra, e formou com elas Sagitário no universo, Kislev no ano, e o fígado na alma, masculina e feminina.
10. Ele fez a letra A'ayin reinar sobre o riso, e Ele sujeitou a ela uma Coroa; e Ele combinou uma com a outra, e formou com elas Capricórnio no universo, Tebet no ano, e qorqeban na alma, masculina e feminina.
Ele fez a letra Tzaddiy reinar sobre o pensamento ou meditação, e Ele sujeitou a ela uma Coroa; e Ele combinou uma com a outra, e formou com elas Áries no universo, Nisan no ano, e a mão direita na alma, masculina e feminina.
Ele fez a letra Qof reinar sobre o sono, e Ele sujeitou a ela uma Coroa; e Ele combinou uma com a outra, e formou com elas Peixes no universo, Adar no ano, e o baço na alma, masculina e feminina.
Ele as fez como um deserto. Ele as arranjou como um muro. Ele as organizou como se para a guerra.

 

Capítulo 6 - Conclusão

1. Estas são as três Mães: Alef, Meym e Shiyn. E a partir delas emanam os três Pais, e eles são Ar, Água e Fogo; e dos Pais, as gerações. Três Pais e suas gerações, e sete planetas e suas hostes, e doze fronteiras diagonais. A evidência desta afirmação: testemunhas fiéis no universo, no ano, e na alma; e da Lei dos Doze, dos Sete e dos Três governam no Dragão Celestial, na ciclicidade e no coração.
2. Três Mães: Alef, Meym, Shiyn: Ar, Água, Fogo. O Fogo está acima, e a Água abaixo, e o sopro do ar os reconcilia. Um sinal disso é que o Fogo é o portador da Água. Meym é silenciosa, Shiyn sibila, e Alef é o sopro de ar reconciliando entre eles.
3. O Dragão Celestial no universo é como um rei em seu trono. A ciclicidade no ano é como um rei nas províncias. O coração na alma é como um rei em guerra.
4. "Além disso, Elohiym fez um opor o outro." O bem opõe o mal; o mal opõe o bem. Bem doe bem, mal do mal. O bem define o mal, e o mal define o bem. O bem é o refúgio daqueles que são bons, e o mal é o refúgio daqueles que são maus.
5. Os Três: Cada um está sozinho; uma defendendo, um acusando, e um decidindo entre eles. Os Sete: Três contra três, e uma lei julgando entre eles. O Doze permancem em guerra: Três são amigos, três são inimigos, três são da vida, e três são da morte. Os três amigos são o coração e os ouvidos, os três inimigos são o fígado, a vesícula biliar, e a língua, os três que são da vida são as duas narinas e o baço; os três que são da morte são as duas aberturas [inferiores] e a boca; e Deus o Rei Fiel governa todos elesde Sua santa morada por toda a Eternidade. O Um sobre os Três, os Três sobre os Sete, os Sete sobre os Doze, e todos unidos, um no outro.
6. Estas são as 22 letras com as quais inscreveu Eheyeh, Yah, Y.H.V.H. Elohiym, Y.H.V.H., Y.H.V.H. Tzabaoth, Elohiym Tzabaoth, El Shaddai, Y.H.V.H. Adonai. Ele produziu a partir delas três formas de expressão. Ele criou a partir delas o Seu universo inteiro. Ele formou por elas tudo que é formado e tudo o que está pronto para ser formado.
7. Quando Abraão, nosso pai olhou, viu, compreendeu, e perguntou, e gravou e esculpiu, ele foi bem sucedido em seu poder de criação, conforme está escrito: "e as almas que eles criaram em Harã". Uma vez foi revelado [a ele] o Altíssimo Senhor de Tudo, bendito seja Seu Nome para sempre; e Ele o colocou dentro de Seu peito e beijou-lhe sobre sua cabeça e Ele o chamou de "Abraão, meu amado" e fez um pacto com ele e à sua descendência para sempre, conforme está escrito: "E ele acreditou em Y.H.V.H., e Ele contou-lhe a justiça" (Gênesis 15:6), e ele fez com ele um pacto entre os dez dedos das mãos (e este é o pacto da língua) e entre os dez dedos dos pés (e este é o pacto dos órgãos genitais). E Ele amarrou as 22 letras da Lei à sua língua e revelou-lhe o Seu Mistério. Ele as atraiu na Água, ele as inflamou no Fogo, ele as vibrou no Ar, ele as acendeu dentro dos Sete, ele as dirigiu às doze constelações zodiacais.

4 comentários:

  1. First thanks for the post, which is actually the danger? depends on the point of view, of course, always seek the truth transforms us, whether or not this can be dangerous. Can often be a solution.
    thanks!

    ResponderExcluir
  2. Seria realmente legal da sua parte se você colocasse os créditos dos textos. Obrigado.

    ResponderExcluir
  3. Caro Anônimo, obrigado pelo comentário. Seria legal também se você aparecesse sem estar anônimo.
    Não só para conversamos, mas também para vermos a possibilidade de se tornar um autor do blog.

    Obrigado!

    ResponderExcluir