quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Liber Liberi vel Lapidis Lazvli, Advmbratio Kabbalæ Ægyptiorvm por V.V.V.V.V. em Livros Sagrados de Thelema

Liber Liberi vel Lapidis Lazvli, Advmbratio Kabbalæ Ægyptiorvm
Sigillvm Sanctvm Fraternitatis A∴A∴
A∴A∴
Publicação em Classe A. 

PRÓLOGO DO AINDA NÃO NASCIDO

  1. Para dentro da minha solidão vem —
  2. O som de uma flauta em bosques escuros que assombram as mais remotas colinas.
  3. Mesmo a partir do bravo rio eles chegam às margens do deserto.
  4. E eu contemplo Pan.
  5. As neves são eternas acima, acima —
  6. E sua névoa de perfume se eleva até as narinas das estrelas.
  7. Mas o que tenho eu a ver com isso?
  8. Para mim apenas a flauta distante, a permanente visão de Pan.
  9. Em todos os lados Pan, aos olhos, aos ouvidos;
  10. O perfume de Pan penetrando, o seu sabor preenchendo totalmente a minha boca, de modo que a língua irrompe em uma fala estranha e monstruosa.
  11. O seu abraço intenso em cada centro de dor e prazer.
  12. O sexto sentido interior arde com o Seu ser mais íntimo,
  13. Eu mesmo arremessado para baixo do precipício do ser
  14. Exatamente para o abismo, aniquilação.
  15. Um fim para a solidão, assim como para tudo.
  16. Pan! Pan! Io Pan! Io Pan!

 

I

  1. Meu Deus, como eu Te amo!
  2. Com o veemente apetite de uma fera eu Te caço através do Universo.
  3. Tu estás de pé como se estivesse sobre um pináculo às margens de alguma cidade fortificada. Eu sou um pássaro branco, e me assento sobre Ti.
  4. Tu és o Meu Amante: Eu Te vejo como uma ninfa com seus membros brancos esticados próximo da nascente.
  5. Ela se deita sobre o musgo; não há mais ninguém além dela:
  6. Tu não és Pan?
  7. Eu sou Ele. Não faleis, Ó meu Deus! Que a obra seja realizada em silêncio.
  8. Que o meu grito de dor seja cristalizado em um pequeno gamo branco para que desapareça na floresta!
  9. Tu és um centauro, Ó meu Deus, das flores violeta que coroam a Ti até as patas do cavalo.
  10. Tu és mais duro do que o aço temperado; não há diamante além de Ti.
  11. Eu não entreguei este corpo e esta alma?
  12. Eu te cortejo com uma adaga atravessada na minha garganta.
  13. Que o jorro de sangue sacie a Tua sede de sangue, Ó meu Deus!
  14. Tu és um coelhinho branco na toca da Noite.
  15. Eu sou maior do que a raposa e a cova.
  16. Dai-me Teus beijos, Ó Senhor Deus!
  17. O relâmpago veio e lambeu o pequeno floco de lã da ovelha.
  18. Há uma língua e uma chama; eu vejo aquele tridente caminhando sobre o mar.
  19. Uma fênix o tem para sua cabeça; embaixo há dois forcados. Eles ferem o ímpio.
  20. Eu Te ferirei, Ó Tu pequeno deus cinza, a menos que Tu te acauteles!
  21. Do cinza para o ouro; do ouro para aquilo que está além do ouro de Ophir.
  22. Meu Deus! Mas eu Te amo!
  23. Por que Tu sussurraste coisas tão ambíguas? Estavas Tu receoso, Ó Aquele com patas de bode, Ó Aquele com cornos, Ó pilar do relâmpago?
  24. Do relâmpago caem pérolas; das pérolas negras partículas de nada.
  25. Eu estabeleci tudo em um, um em nada.
  26. Flutuando no éter, Ó meu Deus, meu Deus!
  27. Ó Tu grande sol coberto de glória, cortai estas pálpebras!
  28. A natureza se extinguirá; ela me ocultou, fechando minhas pálpebras com medo, ela me ocultou da Minha destruição, Ó Tu olho aberto.
  29. Ó Aquele sempre em pranto!
  30. Não Ísis minha mãe, nem Osíris meu ser; mas o incestuoso Hórus entregue a Tífon, possa eu assim o ser!
  31. Há o pensamento; e o pensamento é perverso.
  32. Pan! Pan! Io Pan! É suficiente.
  33. Não te precipites na morte, Ó minha alma! Pensai que a morte é o leito no qual estás caindo!
  34. Ó como eu Te amo, Ó meu Deus! Especialmente se há uma veemente luz paralela do infinito, vilmente difratada na bruma desta mente.
  35. Eu Te amo.
    Eu Te amo.
    Eu Te amo.
  36. Tu és uma coisa bela mais branca do que uma mulher na coluna desta vibração.
  37. Eu disparo verticalmente como uma flecha, e me torno aquilo Acima.
  38. Mas isto é morte, e a chama da pira.
  39. Ascendei na chama da pira, Ó minha alma! Teu Deus é como o gélido vazio do céu mais remoto, no qual tu radiaste tua pequena luz.
  40. Quando Tu me conheceres, Ó Deus vazio, minha chama expirará completamente na Tua grande N. O. X.
  41. O que Tu serás, meu Deus, quando eu tiver cessado de Te amar?
  42. Um verme, um nada, um vilão covarde!
  43. Mas Ó! Eu Te amo.
  44. Eu joguei um milhão de flores da cesta do Além aos Teus pés, eu ungi a Ti e ao Teu Bastão com óleo e sangue e beijos.
  45. Eu inflamei o Teu mármore para a vida – sim! Para a morte.
  46. Eu fui atingido pelo odor da Tua boca, que jamais sorve o vinho, mas a vida.
  47. Como o orvalho do Universo embranquece os lábios!
  48. Ah! Gotejante fluxo das estrelas da mãe Celestial, vá-se embora!
  49. Eu Sou Aquela que deverá vir, a Virgem de todos os homens.
  50. Eu sou um garoto perante Ti, Ó Tu Deus sátiro.
  51. Tu infligirás a punição do prazer – Agora! Agora! Agora!
  52. Io Pan! Io Pan! Eu Te amo. Eu Te amo.
  53. Ó meu Deus, me libere!
  54. Agora!
    Está feito! Morte.
  55. Eu gritei bem alto a palavra – e ela foi um poderoso conjuro para compelir o Invisível, um encantamento para desatar o atado; sim, para desatar o atado.

 

II

  1. Ó meu Deus! Usai-me Tu novamente, sempre. Para sempre! Para sempre!
  2. Que aquilo que vem como fogo de Ti venha como água de mim; portanto que o Teu Espírito se assente firmemente em mim, de modo que a minha mão direita solte o relâmpago.
  3. Viajando através do espaço, eu vi a arremetida de duas galáxias, colidindo uma com a outra e sangrando como touros sobre a terra. Eu fiquei com medo.
  4. E assim elas pararam de lutar e se voltaram contra mim, e eu fui gravemente esmagado e rasgado.
  5. Seria melhor se eu tivesse sido pisoteado pelo Mundo-Elefante.
  6. Ó meu Deus! Tu és a minha querida pequena tartaruga!
  7. Ainda assim Tu sustentas o Mundo-Elefante.
  8. Eu rastejo sob a Tua carapaça, como um amante na cama da sua bela; eu rastejo, e me sento em Teu coração, por mais apertado e aconchegante que seja.
  9. Tu me abrigas, para que eu não ouça o bramido daquele Mundo-Elefante.
  10. Tu não vales um óbolo na ágora; ainda assim Tu não deverás ser comprada ao preço do resgate de todo o Universo.
  11. Tu és como uma bela escrava núbia repousando seu púrpura nu contra os verdes pilares de mármore que estão acima da banheira.
  12. O vinho jorra de seus negros mamilos.
  13. Eu bebi vinho por um instante quando estive na casa de Pertinax. O serviçal me tratou com cortesia, e me ofereceu corretamente o doce Chian.
  14. Havia um garoto Dórico, hábil em atos de força, um atleta. A lua cheia desapareceu colericamente por trás das ruínas.
    Ah! Mas nós demos risadas.
  15. Eu estava perniciosamente embriagado, Ó meu Deus! E ainda assim Pertinax me levou ao casamento.
  16. Eu tinha uma coroa de espinhos como todo o meu dote.
  17. Tu és como um chifre de bode de Astor, Ó Tu meu Deus, curvado e enganador e diabolicamente forte.
  18. Mais frio do que todo o gelo de todas as geleiras da Montanha Nua foi o vinho que ele verteu para mim.
  19. Um país selvagem e uma lua minguante.
    Nuvens correndo por sobre o céu.
    Um círculo de pinheiros, e de altos seixos além. E Tu ao centro!
  20. Ó todos vós sapos e gatos, alegrem-se! Vós coisas lodosas, venham cá!
  21. Dancem, dancem ao Senhor nosso Deus!
  22. Ele é ele! Ele é ele! Ele é ele!
  23. Por que eu deveria prosseguir?
  24. Por que? Por que? Vem a súbita tagarelice de um milhão de diabinhos do inferno.
  25. E a gargalhada continua.
  26. Mas não adoece o Universo; mas não abala as estrelas.
  27. Deus! Como eu Te amo!
  28. Eu estou caminhando em um hospício; todos os homens e mulheres ao meu redor estão loucos.
  29. Ó loucura! loucura! loucura! Desejável és tu!
  30. Mas eu Te amo, Ó Deus!
  31. Estes homens e mulheres rugem e uivam; eles espumam loucura.
  32. Eu começo a ficar receoso. E não tenho saída; Eu estou só. Só. Só.
  33. Pensai, Ó Deus, em como eu sou feliz no Teu amor.
  34. Ó Pan de mármore! Ó falso rosto malicioso! Eu amo os Teus beijos obscuros, sangrentos e fétidos! Ó Pan de mármore! Teus beijos são como a luz do sol sobre o Egeu azul; o sangue deles é o sangue do por do sol sobre Atenas; o fedor deles é como um jardim de Rosas da Macedônia.
  35. Eu sonhei com o por do sol e rosas e vinhos; Tu estavas lá, Ó meu Deus, Tu de fato te trajastes como uma cortesã Ateniense, e eu Te amei.
  36. Tu não és sonho, Ó Tu tão belo como estavas para adormecer e despertar!
  37. Eu disperso o povo insano da terra; eu caminho sozinho com meus pequenos bonecos no jardim.
  38. Eu sou o Gigante; aquela distante galáxia nada mais é do que o anel de fumaça do meu incenso.
  39. Queimai Tu ervas estranhas, Ó Deus!
  40. Preparai-me um licor mágico, garotos, com os seus relances!
  41. A própria alma está embriagada.
  42. Tu estás embriagado, Ó meu Deus, pelos meus beijos.
  43. O Universo titubeia; Tu olhaste em sua direção.
  44. Duas vezes, e tudo está feito.
  45. Vinde, Ó meu Deus, e que nos abracemos!
  46. Preguiçosamente, avidamente, ardentemente, pacientemente; assim eu trabalharei.
  47. Haverá um Fim.
  48. Ó Deus! Ó Deus!
  49. Eu sou um louco por Te amar; Tu és cruel, Tu recusas a Ti mesmo.
  50. Vinde a mim agora! Eu Te amo! Eu Te amo!
  51. Ó meu querido, meu querido – Beija-me! Beija-me! Ah! Mais uma vez.
  52. Sono, toma-me! Morte, toma-me! Esta vida é muito cheia; ela magoa, ela destrói, ela satisfaz.
  53. Deixa-me voltar para o mundo; sim, de volta para o mundo.

 

III

  1. Eu era o sacerdote de Ammon-Ra no templo de Ammon-Ra em Thebai.
  2. Porém Bacchus veio cantando com suas tropas de garotas vestidas de parreiras, de garotas em mantos escuros; e Bacchus ao centro como um gamo!
  3. Deus! Como me inflamei na minha fúria e dispersei o coro!
  4. Mas no meu templo ficou Bacchus como o sacerdote de Ammon-Ra.
  5. Então eu saí descontrolado com as garotas para a Abissínia; e lá nós habitamos e nos regozijamos.
  6. Excessivamente; sim, em boa realidade!
  7. Eu comerei o fruto maduro e o não maduro para a glória de Bacchus.
  8. Varandas de azevinho, e fileiras de ônix e opala e sardônica conduzindo até o frio pórtico verde de malaquita.
  9. Dentro há uma concha de cristal, perfilada como uma ostra – Ó glória de Príapo! Ó beatitude da Grande Deusa!
  10. Dentro desta há uma pérola.
  11. Ó Pérola! Tu nasceste da majestade do terrível Ammon-Ra.
  12. Então eu o sacerdote vi um brilho incessante no coração da pérola.
  13. Tão brilhante que nós não podíamos olhar! Porém vide! Uma rosa vermelho-sangue sobre uma cruz de ouro brilhante!
  14. Então eu adorei o Deus. Bacchus! Tu és o amante do meu Deus!
  15. Eu que era sacerdote de Ammon-Ra, que vi o Nilo fluir por muitas luas, por muitas, muitas luas, sou o jovem gamo da terra cinza.
  16. Eu vou começar a minha dança nos seus encontros, e meus amores secretos serão doces entre vós.
  17. Tu terás um amante entre os senhores da terra cinza.
  18. Este será trazido a ti, sem o que tudo é em vão; a vida de um homem derramada pelo teu amor sobre os Meus Altares.
  19. Amém.
  20. Que seja breve, Ó Deus, meu Deus! Eu sofro por Ti, eu vagueio muito solitário entre a gente insana, na terra cinza de desolação.
  21. Tu erguerás a abominável Coisa solitária de perversidade. Ó prazer! Assentar aquela pedra angular!
  22. Ela ficará ereta sobre a alta montanha; apenas o meu Deus comungará com ela.
  23. Eu a construirei de um simples rubi; ela poderá ser vista de muito longe.
  24. Vinde! Irritemos os vasos da terra: eles destilarão estranho vinho.
  25. Ele cresce sob minha mão: ele cobrirá todo o firmamento.
  26. Tu estás por trás de mim: Eu grito num louco prazer.
  27. Então disse Ithuriel o forte; que nós também adoremos esta maravilha invisível!
  28. Assim o fizeram, e os arcanjos choraram sobre o céu.
  29. Estranho e místico, como um sacerdote amarelo invocando poderosos vôos de grandes pássaros cinza desde o Norte, assim permaneço e Te invoco!
  30. Que eles não obscureçam o sol com suas asas e sua algazarra!
  31. Levai embora a forma e sua sucessão!
  32. Eu estou estático.
  33. Tu és como uma águia marinha por entre o arrozal, eu sou o grande pelicano vermelho nas águas do por do sol.
  34. Eu sou como um negro eunuco; e Tu és a cimitarra. Eu corto a cabeça do luminoso, aquele que rompe o pão e o sal.
  35. Sim! Eu corto – e o sangue faz parecer como se fosse um por do sol por sobre o lápis lázuli da Alcova do Rei.
  36. Eu corto! O mundo inteiro se rompe em um poderoso vento, e uma voz grita alto numa língua que os homens não conseguem falar.
  37. Eu conheço aquele som terrível do prazer primordial; sigamos nas asas da ventania diretamente para a casa santa de Hathor; ofereçamos as cinco jóias da vaca sobre o seu altar!
  38. Novamente a voz não humana!
  39. Eu lanço o meu volume Titânico para dentro dos dentes da ventania, e eu corto e triunfo, e faço uma curva por sobre o mar.
  40. Há um estranho Deus pálido, um deus de dor e perversidade mortal.
  41. Minha própria alma morde a si mesma, como um escorpião cercado pelo fogo.
  42. Aquele Deus pálido com o rosto desviado, aquele Deus de sutileza e gargalhada, aquele jovem Deus Dórico, a ele eu servirei.
  43. Pois o fim disto é o tormento inexprimível.
  44. Melhor a solidão do grande mar cinza!
  45. Mas o povo da terra cinza adoeceu, meu Deus!
  46. Deixe-me sufocá-los com as minhas rosas!
  47. Ó Tu delicioso Deus, sorriso sinistro!
  48. Eu Te colho, Ó meu Deus, como uma ameixa púrpura sobre uma árvore ensolarada. Como Tu te dissolveste na minha boca, Tu açúcar consagrado das Estrelas!
  49. O mundo é todo cinza perante os meus olhos; ele é como um velho odre de vinho desgastado.
  50. Todo o vinho dele está nestes lábios.
  51. Tu me geraste sobre uma Estátua de mármore, Ó meu Deus!
  52. O corpo está gelado pelo frio de um milhão de luas; ele está mais rígido do que o diamante da eternidade. Como eu seguirei para a luz?
  53. Tu és Ele, Ó Deus! Ó meu querido! Minha criança! Meu brinquedo! Tu és como um grupo de donzelas, como uma multidão de cisnes sobre o lago.
  54. Eu sinto a essência da suavidade.
  55. Eu sou duro e forte e masculino; mas vinde Tu! Eu serei suave e frágil e feminino.
  56. Tu me triturarás na prensa de vinho do Teu amor. Meu sangue tingirá Teus pés ardentes com litanias de Amor em Angústia.
  57. Haverá uma nova flor nos campos, uma nova vindima nos vinhedos.
  58. As abelhas colherão um novo mel; os poetas cantarão uma nova canção.
  59. Eu ganharei a Dor do Bode como meu prêmio; e o Deus que se assenta sobre os ombros do Tempo dormirá.
  60. Então tudo isso que está escrito será realizado: sim, será realizado.

 

IV

  1. Eu sou como uma donzela se banhando numa piscina clara de água fresca.
  2. Ó meu Deus! Eu Te vejo negro e desejável, surgindo por entre a água como uma fumaça dourada.
  3. Tu és totalmente dourado, o cabelo e as sobrancelhas e o rosto brilhante; mesmo nas pontas dos dedos das mãos e dos pés. Tu és um sonho róseo de ouro.
  4. Minha alma salta profundamente para dentro dos Teus olhos que são dourados, como um arcanjo ameaçando o sol.
  5. Minha espada Te atravessa uma e outra vez; luas cristalinas saem do Teu belo corpo que está oculto por trás da curvatura dos Teus olhos.
  6. Mais fundo, ainda mais fundo. Eu caio, exatamente como todo o Universo se precipita no abismo dos Anos.
  7. Pois a Eternidade chama; o Mundo do alto chama; o mundo da Palavra está nos esperando.
  8. Exauris a fala, Ó Deus! Cravai as presas do cão Eternidade nesta minha garganta!
  9. Eu sou como um pássaro ferido se debatendo em círculos.
  10. Quem sabe onde cairei?
  11. Ó Abençoado! Ó Deus! Ó meu devorador!
  12. Deixa-me cair, me precipitar, me perder, longe, sozinho!
  13. Deixa-me cair!
  14. Nem há qualquer descanso, Amado, salvo no berço do real Bacchus, a coxa do Mais Sagrado.
  15. Ali há descanso, sob o dossel da noite.
  16. Urano repreendeu Eros; Marsyas repreendeu Olympas; eu repreendo o meu belo amante com sua cabeleira de raios de sol; eu não cantarei?
  17. Meus encantamentos não trarão ao meu redor a maravilhosa companhia dos deuses da floresta, seus corpos brilhando com o unguento da luz do luar e mel e mirra?
  18. Veneráveis sois vós, Ó meus amantes; vamos avante para a cova mais escura!
  19. Lá nos banquetearemos com mandrágora e alho mágico!
  20. Lá O Amável nos concederá o Seu santo banquete. Nos bolos tostados de milho provaremos o alimento do mundo, e nos fortaleceremos.
  21. No avermelhado e terrível cálice de morte nós beberemos o sangue do mundo, e nos embriagaremos!
  22. Óé! A canção para Iao, a canção para Iao!
  23. Vinde, deixa-nos cantar para ti, Iacchus invisível, Iacchus triufante, Iacchus inefável!
  24. Iacchus, Ó Iacchus, Ó Iacchus, estejas próximo de nós!
  25. Então o semblante de todo o tempo escureceu, e a luz verdadeira brilhou.
  26. Também havia um certo grito em uma língua desconhecida, cuja estridência perturbou as águas tranquilas da minha alma, de modo que a minha mente e o meu corpo foram curados de sua doença, auto conhecimento.
  27. Sim, um anjo perturbou as águas.
  28. Este era o grito Dele: IIIOOShBTh-IO-IIIIAMAMThIBI-II.
  29. Nem tampouco eu cantei isto mil vezes por noite durante mil noites antes que Tu viesses, Ó meu Deus flamejante, e me perfurasse com a Tua lança. Teu manto escarlate revelou os céus totalmente, de modo que os Deuses disseram: Tudo está queimando: isto é o fim.
  30. Também Tu colocastes Teus lábios na ferida e sugastes um milhão de ovos. E Tua mãe sentou-se sobre eles, e eis! Estrelas e estrelas e Coisas derradeiras das quais as estrelas são os átomos.
  31. Então eu Te percebi, Ó meu Deus, sentado como um gato branco sobre a treliça do caramanchão; e o zumbido dos mundos rodopiantes era nada mais que Teu prazer.
  32. Ó gato branco, as centelhas saltam do Teu pelo! Tu crepitastes ao partir os mundos.
  33. Eu vi mais de Ti no gato branco do que vi na Visão dos Æons.
  34. Na barca de Ra eu viajei, mas eu jamais descobri sobre o Universo visível qualquer ser como Ti!
  35. Tu eras como um cavalo branco alado, e eu Te cavalguei através da eternidade contra o Senhor dos Deuses.
  36. Assim ainda cavalgamos!
  37. Tu eras como um floco de neve caindo sobre as florestas cobertas de pinheiros.
  38. Em um momento Tu estavas perdido em um deserto do igual e do diferente.
  39. Mas eu contemplei o belo Deus por trás da nevasca – e Tu eras Ele!
  40. Também em li em um grande livro.
  41. Sobre pele antiga estava escrito em letras douradas: Verbum fit Verbum.
  42. Também Vitriol e o nome do hierofante
    V.V.V.V.V.
  43. Tudo isso girava em fogo, em fogo de estrela, raro e distante e completamente solitário – exatamente como Tu e eu, Ó alma desolada meu Deus!
  44. Sim, e a escrita
Está bem. Esta é a voz que sacudiu a terra.
  1. Oito vezes ele gritou alto, e por oito e por oito eu contarei os Teus favores, Ó Tu Onze vezes Deus 418!
  2. Sim, e por muito mais; pelo dez nas vinte e duas direções; exatamente como a perpendicular da Pirâmide – assim serão os Teus favores.
  3. Se eu os numero, eles são Um.
  4. Excelente é Teu amor, Ó Senhor! Tu és revelado pela escuridão, e aquele que tateia no horror dos bosques Te agarrará por acaso, exatamente como uma serpente que ataca um pequeno passarinho que canta.
  5. Eu Te agarrei, Ó meu afável tordo; eu sou como um falcão de mãe-esmeralda; eu Te agarro por instinto, embora meus olhos se enganem pela Tua glória.
  6. Ainda assim eles estão para além da tolice das pessoas. Eu as vejo na areia amarela, e vestidas em púrpura Tiriana.
  7. Eles arrastam o seu Deus brilhante para a terra em redes; eles fazem uma fogueira para o Senhor do Fogo, e gritam palavras profanas, até mesmo a terrível maldição Amri maratza, maratza, atman deona lastadza maratza maritza—marán!
  8. Então eles cozinham o deus brilhante, e o engolem inteiro.
  9. Essas são pessoas perversas, Ó belo garoto! Passemos para o Outro Mundo.
  10. Transformemo-nos numa isca agradável, numa forma sedutora!
  11. Eu serei como uma esplêndida mulher nua com seios de marfim e mamilos dourados; todo o meu corpo será como o leite das estrelas. Eu serei lustroso e grego, uma cortesã de Delos, da Ilha instável.
  12. Tu serás como um pequeno verme vermelho em um anzol.
  13. Mas tu e eu pegaremos o nosso peixe de modo semelhante.
  14. Então tu serás um peixe brilhante com as costas douradas e o ventre prateado: eu serei como um homem belo violento, mais forte do que dois touros premiados, um homem do Oeste carregando um grande saco de joias preciosas sobre um bastão que é maior do que o eixo de tudo.
  15. E o peixe será sacrificado a Ti e o homem forte crucificado para Mim, e Tu e eu beijaremos, para reparar o erro do Início; sim, para reparar o erro do Início.

 

V

  1. Ó meu belo Deus! Eu nado em Teu coração como uma truta na torrente da montanha.
  2. Eu salto de lagoa em lagoa no meu prazer; eu sou gracioso em marrom e dourado e prateado.
  3. Porque, eu sou mais atraente do que as árvores castanho-avermelhadas na primeira nevasca de outono.
  4. E a caverna de cristal do meu pensamento é mais fascinante do que eu.
  5. Apenas um anzol de pesca pode me puxar para fora; ele é uma mulher se ajoelhando na margem do córrego. É ela quem derrama o orvalho brilhante sobre si mesma, e na areia de modo que o rio jorre.
  6. Há um pássaro em uma murta mais além; apenas a canção daquele pássaro pode me retirar da lagoa do Teu coração, Ó meu Deus!
  7. Quem é este garoto Napolitano que gargalha na sua alegria? Sua amante é a poderosa cratera da Montanha de Fogo. Eu vi os seus membros carbonizados apoiados para baixo das encostas numa língua furtiva de pedra líquida.
  8. E Ó! O piar da cigarra!
  9. Eu me lembro dos dias quando eu era cacique no México.
  10. Ó meu Deus, eras Tu então como agora o meu belo amante?
  11. Era a minha juventude então como agora o Teu brinquedo, Teu prazer?
  12. De fato, eu me lembro daqueles dias de ferro.
  13. Eu me lembro como nós ensopávamos aqueles lagos amargos com a nossa torrente de ouro; como nós enterramos a preciosa imagem na cratera de Citlaltepetl.
  14. Como a boa chama nos suspendeu diretamente sobre as terras baixas, nos conduzindo para dentro da floresta impenetrável.
  15. Sim, Tu eras um estranho pássaro escarlate com um bico de outro. Eu era o Teu companheiro nas florestas da terra baixa; e ainda assim nós ouvíamos de longe o canto estridente dos sacerdotes mutilados e o clamor insano do Sacrifício das Virgens.
  16. Havia um estranho Deus alado que nos contou sobre a sua sabedoria.
  17. Nós conseguimos ser grãos estrelados de pó de ouro nas areias de um rio vagaroso.
  18. Sim, e aquele rio era o rio do espaço e também do tempo.
  19. Daí nós partimos; uma vez para o menor, uma vez para o maior, até agora, Ó doce Deus, nós somos nós mesmos, o mesmo.
  20. Ó meu Deus, Tu é como um pequeno bode branco com raios nos seus chifres!
  21. Eu Te amo, eu Te amo.
  22. Cada respiração, cada palavra, cada pensamento, cada feito é um ato de amor Contigo.
  23. A batida do meu coração é o pêndulo do amor.
  24. As minhas canções são os suaves suspiros:
  25. Os meus pensamentos são um verdadeiro arrebatamento:
  26. E os meus feitos são as miríades dos Teus filhos, as estrelas e os átomos.
  27. Que nada haja!
  28. Que todas as coisas se derramem neste oceano de amor!
  29. Seja esta devoção um potente encantamento para exorcizar os demônios dos Cinco!
  30. Ah Deus, tudo se foi! Tu consumastes o Teu êxtase. Falútli! Falútli!
  31. Há uma solenidade do silêncio. Não existe mais voz em absoluto.
  32. Então isto estará no fim. Nós que éramos pó jamais desapareceremos no pó.
  33. Então assim será.
  34. Então, Ó meu Deus, o sopro do Jardim das Especiarias. Todas estas tem um sabor de aversão.
  35. O cone é cortado com um raio infinito; a curva da vida hiperbólica salta para a existência.
  36. Mais e mais distante nós flutuamos; e ainda assim estamos parados. É a série de sistemas que está se perdendo de nós.
  37. Primeiro cai o mundo estúpido; o mundo da velha terra cinza.
  38. Cai em uma distância impensável, com seu pesaroso rosto barbado agindo sobre ele; ele desvanece para o silêncio e a angústia.
  39. Estamos em silêncio e êxtase, e a face é a face risonha de Eros.
  40. Sorrindo nós o saudamos com os sinais secretos.
  41. Ele nos conduz ao Palácio Invertido.
  42. Lá está o Coração de Sangue, uma pirâmide apontando seu vértice para baixo além do Erro do Início.
  43. Ocultai-me na Tua Glória, Ó querido, Ó principesco amante desta donzela meretriz, dentro da Câmara mais Secreta do Palácio!
  44. Isto é feito rapidamente; sim, o selo é afixado sobre o jazigo.
  45. Existe um que terá proveito em abri-lo.
  46. Não pela memória, nem pela imaginação, nem por oração, nem por jejum, nem por flagelação, nem pelas drogas, nem por ritual, nem por meditação; apenas através do amor passivo ele se beneficiará.
  47. Ele aguardará pela espada do Amado e colocará à mostra sua garganta para o golpe.
  48. Então o sangue dele jorrará e me escreverá runas no céu; sim, me escreverá runas no céu.

 

VI

  1. Tu eras uma sacerdotisa, Ó meu Deus, entre os Druidas; e nós conhecíamos os poderes do carvalho.
  2. Construímos para nós um templo de pedras no formato do Universo, exatamente como tu o trajastes abertamente e eu reservadamente.
  3. Lá nós realizamos muitas coisas maravilhosas por volta da meia noite.
  4. Nós operamos por meio da lua minguante.
  5. Por sobre a planície veio o uivo atroz dos lobos.
  6. Nós respondemos; nós caçamos junto com a alcateia.
  7. Nós fomos diretamente para a nova Capela e Tu colocaste o Santo Graal sob as Tuas vestes de Druida.
  8. Secretamente e discretamente nós bebemos do sacramento revelador.
  9. Então uma terrível doença se apoderou do povo da terra cinza; e nós nos enchemos de contentamento.
  10. Ó meu Deus, dissimulai a Tua glória!
  11. Vinde como um ladrão, e roubemos os Sacramentos!
  12. Em nossos bosques, em nossas celas de claustro, em nossa colmeia de felicidade, bebamos, bebamos!
  13. Este é o vinho que tinge a tudo com a verdadeira tintura do ouro infalível.
  14. Há profundos segredos nestas canções. Não é suficiente ouvir o pássaro; para apreciar a canção ele deve ser o pássaro.
  15. Eu sou o pássaro, e Tu és a minha canção, Ó meu glorioso Deus galopante!
  16. Tu dominas nas estrelas; tu conduzes as sete constelações lado a lado através do circo da Não-existência.
  17. Tu Deus Gladiador!
  18. Eu toco a minha harpa; Tu lutas com as bestas e as chamas.
  19. Tu sentes o Teu prazer na música, e eu na luta.
  20. Tu e eu somos queridos pelo Imperador.
  21. Vide! Ele nos convocou ao trono Imperial.
    A noite cai; é uma grande orgia de adoração e êxtase.
  22. A noite cai como uma capa adornada dos ombros de um príncipe sobre um escravo.
  23. Ele ergue um homem livre!
  24. Lança tu, Ó profeta, a capa por sobre estes escravos!
  25. Uma grande noite, e poucas fogueiras neste lugar; mas a liberdade para o escravo que sua glória envolverá.
  26. Então eu também desci para a grande cidade triste.
  27. Lá a Messalina morta trocou sua coroa pelo veneno do morto Locusta; lá esteve Calígula, e golpeou os mares de esquecimento.
  28. Quem eras Tu, Ó César, que conhecestes Deus em um cavalo?
  29. Vide! Nós vimos o Cavalo Branco do Saxão gravado sobre a terra; e nós vimos os Cavalos do Mar que flamejam sobre a velha terra cinza, e a espuma das suas narinas nos iluminam!
  30. Ah! Mas eu te amo, Deus!
  31. Tu és como uma lua sobre o mundo de gelo.
  32. Tu és como a alvorada das neves mais distantes sobre as planícies queimadas da terra do tigre.
  33. Pelo silêncio e pela fala eu Te adoro.
  34. Mas tudo é em vão.
  35. Apenas o Teu silêncio e a Tua fala que me beneficiam na adoração.
  36. Lamentai, Ó vós povo da terra cinza, pois nós bebemos do seu vinho, e deixamos para vós nada além do que a borra mais amarga.
  37. Ainda assim destas nós destilaremos para vós um licor além do néctar dos Deuses.
  38. Há valor na nossa tintura para um mundo de Especiarias e ouro.
  39. Pois o nosso pó vermelho de projeção está além de todas as possibilidades.
  40. Há poucos homens; há o suficiente.
  41. Teremos muitos copeiros, e o vinho não está restrito.
  42. Ó meu querido Deus! Que festa Tu providenciaste.
  43. Contemplai as luzes e as flores e as donzelas!
  44. Provai os vinhos e os bolos e as esplêndidas refeições!
  45. Inalai os perfumes e as nuvens de pequenos deuses como ninfas da floresta que habitam nas narinas!
  46. Senti com todo o teu corpo a gloriosa suavidade do frescor do mármore e o calor generoso do sol e dos escravos!
  47. Que o Invisível conceda essência a toda Luz devoradora do seu rompente vigor!
  48. Sim! O mundo todo é partido ao meio, como uma velha árvore cinza pelo raio!
  49. Vinde, Ó vos deuses, e festejemos.
  50. Tu, Ó meu querido, Ó meu incessante Deus-Pardal, meu deleite, meu desejo, meu enganador, vinde Tu e gorjeie na minha mão direita!
  51. Este era o conto da memória de Al A’in o sacerdote; sim, de Al A’in o sacerdote.

 

VII

  1. Pela queima do incenso foi a Palavra revelada, e pela droga distante.
  2. Ó refeição e mel e óleo! Ó belo estandarte da lua, que ela estende no centro do êxtase!
  3. Estes soltam as ataduras do cadáver; estes soltam os pés de Osíris, de modo que o Deus flamejante possa se enfurecer através do firmamento com a sua lança fantástica.
  4. Mas a triste estátua é puro mármore preto, e a dor imutável dos olhos é amarga para o cego.
  5. Nós compreendemos o arrebatamento daquele mármore estremecido, despedaçado pelos espasmos da criança coroada, o bastão dourado do Deus dourado.
  6. Nós sabemos porque tudo está ocultado na pedra, dentro do ataúde, dentro do poderoso sepulcro, e nós também respondemos Olalám! Imál! Tutúlu! Como está escrito no antigo livro.
  7. Três palavras daquele livro são como vida para um novo aeon; nenhum deus leu por inteiro.
  8. Mas tu e eu, Ó Deus, o escrevemos página por página.
  9. Nossa é onze vezes a leitura da palavra por Onze vezes.
  10. Estas sete letras juntas criam diversas palavras; cada palavra é divina, e sete sentenças estão ocultas aí.
  11. Tu és a Palavra, Ó meu querido, meu senhor, meu mestre!
  12. Ó vinde a mim, misture o fogo e a água, tudo dissolverá.
  13. Eu Te aguardo no sono, no despertar. Eu não mais Te invoco; Pois Tu estás em mim, Ó Tu que me fizeste um belo instrumento afinado com o Teu êxtase.
  14. Ainda assim Tu estás sempre separado, assim como eu.
  15. Eu me lembro de certo feriado no crepúsculo do ano, no crepúsculo do Equinócio de Osíris, quando pela primeira vez eu Te contemplei visivelmente; quando pela primeira vez a terrível questão foi resolvida; quando Aquele com cabeça de Íbis resolveu o conflito.
  16. Eu me lembro do Teu primeiro beijo, exatamente como deveria uma donzela lembrar. Nem nos escuros atalhos houve outro: Teus beijos continuaram.
  17. Não há nenhum outro além de Ti em todo o Universo de Amor.
  18. Meu Deus, eu Te amo, Ó Tu bode com chifres adornados!
  19. Tu belo touro de Ápis! Tu bela serpente de Apep! Tu bela criança da Deusa Grávida!
  20. Tu te agitaste no Teu sono, Ó antiga tristeza dos anos! Tu ergueste a Tua cabeça para atingir, e tudo está dissolvido no Abismo de Glória.
  21. Um fim para as letras das palavras! Um fim para a fala sétupla.
  22. Explique-me a maravilha disso tudo na figura de um camelo magro veloz andando a largos passos sobre a areia.
  23. Sozinho ele está, e abominável; ainda assim ele ganhou a coroa.
  24. Ó alegra-te! Alegra-te!
  25. Meu Deus! Ó meu Deus! Eu sou nada mais que um grão na poeira das estrelas das eras; eu sou o Mestre do Segredo das Coisas.
  26. Eu sou o Revelador e o Preparador. Minha é a Espada – e a Mitra e o Bastão Alado!
  27. Eu sou o Iniciador e o Destruidor. Meu é o Globo – e o pássaro Bennu e o Lótus de Ísis minha filha!
  28. Eu sou Aquele além de todos estes; e eu porto os símbolos da poderosa escuridão.
  29. Haverá um sigilo como o de um vasto, negro e ameaçador oceano de morte e o brilho central da escuridão, irradiando sua noite sobre tudo.
  30. Ele engolirá aquela escuridão menor.
  31. Porém naquela profundeza quem responderá: O que é?
  32. Não eu.
  33. Não Tu, Ó Deus!
  34. Vinde, não vamos mais discutir juntos; vamos nos divertir! Sejamos nós mesmos, silentes, únicos, distantes.
  35. Ó florestas solitárias do mundo! Em quais recessos tu ocultarás nosso amor?
  36. A floresta das lanças do Altíssimo é chamada Noite, e Hades, e o Dia da Ira; mas eu sou Seu capataz, e eu carrego o Seu cálice.
  37. Não me temas com meus lanceiros! Eles matarão os demônios com seus pequenos forcados. Vós sereis livres.
  38. Ah, escravos! vós não – vós não sabeis como querer.
  39. Ainda assim a música das minhas lanças será uma canção de liberdade.
  40. Um grande pássaro voará desde o Abismo de Prazer, e vos arribará para seres meus copeiros.
  41. Vinde, Ó meu Deus, em um ultimo arrebatamento alcancemos a União com os Muitos!
  42. No silêncio das Coisas, na Noite das Forças, além do maldito domínio dos Três, gozemos nosso amor!
  43. Meu querido! Meu querido! Para fora, para além da Assembleia e da Lei e da Iluminação para uma Anarquia de Solidão e Escuridão!
  44. Pois mesmo assim nós devemos ocultar o brilho do nosso Ser.
  45. Meu querido! Meu querido!
  46. Ó meu Deus, mas o amor em Mim queima para além dos limites do Espaço e do Tempo; meu amor é derramado entre aqueles que amam não amar.
  47. Meu vinho é derramado para aqueles que jamais provaram o vinho.
  48. As emanações dali vão intoxicá-los e o vigor do meu amor produzirá crianças poderosas para as suas donzelas.
  49. Sim! Sem influxo, sem abraço: – e a Voz respondeu Sim! Estas coisas serão.
  50. Então eu busquei uma Palavra para Mim mesmo; de fato, para mim mesmo.
  51. E a Palavra veio: Ou Tu! Isto está bem. Não te preocupes com nada! Eu Te amo! Eu Te amo!
  52. Assim eu tive confiança até o fim de tudo; sim, até o fim de tudo.

Um comentário:

  1. Olá Fernando

    Adorei a visita, obrigada.

    Bjooooooooooooo..............
    http://amigadamoda.blogspot.com

    ResponderExcluir