sexta-feira, 1 de julho de 2011

Liber Turris vel Domus Dei - Escrito por Aleister Crowley

sub figura XVI

Sigilo da Santa Fraternidade Astrum Argentum

A.·. A.·.
Publicação em Classe B.
Imprimatur:
N. Fra A.·. A.·.

0. Essa prática é muito difícil. O estudante não pode esperar por muito sucesso a menos que ele tenha minunciosamente dominado o Asana, e obtido sucesso muito evidente nas práticas de meditação do Liber E e Liber HHH.
Por outro lado, qualquer sucesso nesta prática é de um caráter excessivamente alto, e o estudante é menos propenso à ilusão e auto-decepção nisso do que em quase qualquer outro que Nós tenhamos conhecimento.

1. Primeiro Ponto. O estudante deve primeiramente descobrir para si próprio a posição aparente do ponto em seu cérebro onde os pensamentos levantam-se, caso exista tal ponto.
Caso não haja, ele deve procurar a posição do ponto onde os pensamentos são julgados.

2. Segundo Ponto. Ele precisa também desenvolver em si mesmo uma Vontade de Destruição, até mesmo uma Vontade de Aniquilação. Isso pode ser aquilo que deve ser descoberto a uma imensurável distância do seu corpo físico. Contudo, é preciso que ele alcance, com isso ele precisa identificar-se ao menos com a perda de si mesmo.

3. Terceiro Ponto. Deixe então essa Vontade assistir vigilantemente o ponto onde os pensamentos se erguem, ou o ponto onde os pensamentos são julgados, e deixe todo pensamento ser aniquilado assim como sua percepção ou julgamento.

4. Quarto Ponto. Depois, deixe todos os pensamentos serem inibidos nessa ingestão.

5. Quinto Ponto. Depois, deixe ainda as causas ou tendências que caso no fim não sejam checadas nos pensamentos sejam descobertas e aniquiladas.

6. Sexto e Último Ponto. Deixe a verdadeira Causa de Tudo ser desmascarada e aniquilada.

7. Isso é o que foi dito por homens sensatos de antigos tempos a respeito da destruição do mundo pelo fogo; sim, da destruição do mundo pelo fogo.

8. Deixe o estudante lembrar que cada Ponto representa um término definitivo de grande dificuldade.

9. Não o deixe tentar o segundo até ele estar bem satisfeito com sua maestria sobre o primeiro.

10. Essa prática é também a que foi dita por Fra P. em uma parábola como se segue:

11. Indecente é um reduto de ladrão, cheio de ódio;
Ladrão estrangulando ladrão, e colega em guerra com colega,
Encarando incursores selvagens, todos desamparados ao Destino!
Não há nem saúde nem alegria nisto.
Masculinidade é covardia, e virtude é pecado.
A escuridão intolerável embainha-o nela.
Nem o coração do inferno tem uma máscara nociva assim;
Porém inofensiva e ilesa, e acalentada,
Enfraquecida em sua prisão uma donzela imaculada.
Encurralada pelo mago mestre para seu anseio,
Ela engana a sedução e ira dele,
O fogo que aniquila tudo do Deus Orador.
O Senhor das Hóstias doou ouvidos à canção dela:
O Senhor das Hóstias encerou irritado a sua injustiça.
Ele libertou a perseguição do céu de seu flagelo.
Violento e vívido atingiu-no a luz de um relâmpago.
Outrora a torre oscilada e quebrada abaixo de seu açoite,
Inextinguível fogo perpétuo; era cinza.
Mas aquele mesmo fogo que sufocava o rivalidade do assaltante,
E golpeia cada existência fora da luxúria e da vida,
Tornou a suave donzela numa esposa jubilosa.

12. E isso:

13. Existe um poço ante o Grande Trono Branco
Que está sufocado com o lixo das eras;
Cascalho e barro e sedimento e pedra,
Deleite dos lagartos e desespero dos sábios.
Apenas o relâmpago da mão Dele que assenta,
E deverá assentar quando os tiranos usurpadores caírem,
Pode purgar aquele sertão de vontades e sagacidades,
Deixe saltar aquela fonte em eternos saguões.

14. E isso:

15. Enxofre, Sal, e Mercúrio:
Qual é o mestre dos três?
Sal é a Senhora do Mar;
Senhor do Ar é Mercúrio.
Agora pela graça de Deus aqui está o sal
Fixado abaixo da abóbada violeta.
Agora pelo amor de Deus purgue-o através
Com nosso orvalho Hermético direito.
Agora pelo Deus que está em nossa fé
Sê nosso sábio mestre sal inflamável.
Então por último o Olho deverá ver
Três em Um e Um em Três,
Enxofre, Sal, e Mercúrio,
Coroados pela Alquimia Celestial!
Para o Um que remeteu os Sete
Glória no Céu Altíssimo!
Aos Sete que são os Dez
Glória sobre a Terra, Amen!

16. E das dificuldades dessa prática e dos Resultados que a recompensam, deixe essas coisas serem descobertas pelo certo Ingenium do Practicus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário