sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Dogma e Ritual da Alta Magia (Eliphas Levi)

Através de todas as alegorias hieráticas e místicas dos antigos dogmas, através das trevas e provas bizarras de todas as iniciações, sob o sêlo de todas as escrituras sagradas, nas ruínas de Nínive ou Tebas, sobre as pedras carcomidas dos antigos templos e na face escurecida das esfinges da Assíria e do Egito, nas pinturas monstruosas ou maravilhosas que produzem para o crente da Índia as páginas sagradas dos Vedas, nos emblemas estranhos dos nossos velhos livros de alquimia, nas cerimônias de recepção praticadas por todas as sociedades misteriosas, encontram-se os traços de uma doutrina em toda parte a mesma e em toda parte escondida cuidadosamente. A filosofia oculta parece ter sido a nutriz ou matriz de todas as forças intelectuais, a chave de todas as obscuridades divinas, e a rainha absoluta da sociedade, nos tempos em que era exclusivamente reservada à educação dos padres e dos reis.
Ela reinava na Pérsia com os magos... ela dotara a Índia das tradições mais maravilhosas e de um terrível luxo de poesia, graça e terror nos seus emblemas; ela civilizara a Grécia aos sons da lira de Orfeu; ela escondia o princípio de todas as ciências e de todos os progressos do espírito humano nos cálculos audaciosos de Pitégoras... A esta ciência, dizia a multidão, nada é impossível. (...)
Eis o que fora a magia desde Zoroastro até Manés, desde Orfeu até Apolônio de Thyana, quando o cristianismo positivo, triunfando enfim dos belo sonhos e das gigantescas aspirações da escola de Alexandria, ousou fulminar publicamente com seus anátemas esta filosofia, e a reduziu, assim, a ser mais oculta e mais misteriosa que nunca. [p 50]

DEFINIÇÃO DE MAGIA

A magia é a ciência tradicional dos segredos da natureza, que nos vem dos magos. [p 74]

A arte hermética é, pois, ao mesmo tempo uma religião, uma filosofia e uma ciência natural. Como religião é a dos antigos magos e iniciados de todos os tempos; em filosofia podemos encontrar seus princípios na escola de Alexandria e nas teorias de Pitágoras; como ciência, é preciso pedir os seus processos a Paracelso, Nicolau Flamel e Raimundo Lullo.



RELIGIÃO UNIVERSAL
A ciência conserva-se pelo silêncio e perpetua-se pela iniciação. A lei do silêncio, não é, pois, absoluta e inviolável senão para a multidão não iniciada. ... Sim, os sábios devem falar, não para dizer, mas para levar os outros à procura. ... o destino do homem é ... fazer ou criar a si próprio; ele é e será filho de suas obras no tempo e na eternidade. ... Os homens que são senhores de si próprios, facilmente se tornam senhores dos outros ... [Porém, para alcançar este domínio é preciso reconhecer as "leis de uma disciplina e de uma hierarquia universal." Reconhecer estas leis implica colocar-se em estado "ligação" ou "re-ligação", estado de religião consigo próprio e com o sistema de forças interagentes no qual, o próprio homem está inserido. Esta disciplina de "religião", ou simplesmente "esta religião sempre existiu no mundo e é a única que pode ser chamada de una, infalível, indefectível e verdadeiramente católica, isto é, universal. Esta religião, da qual todas as outras são véus e sombras, é que demonstra O SER pelo SER, a VONTADE pela RAZÃO, a RAZÃO pela EVIDÊNCIA e o SENSO COMUM.[Esta religião] ... é a que tem por base o DOGMA DAS ANALOGIAS UNIVERSAIS, mas também nunca confunde as coisas da ciência com as da fé. ... Mas esta religião razoável não poderia ser a da multidão, que precisa de fábulas, mistérios, esperanças definidas e terrores materialmente motivados. Por isso o SACERDÓCIO foi estabelecido no mundo e o sacerdócio se recruta pela iniciação. (p 299 | 300)


OBRAS MÁGICAS
As obras mágicas são de uma onipotência relativa e o meio de apoderar-se dos maiores segredos da natureza é faze-los servir a uma vontade esclarecida e inflexível. ... As operações mágicas são o exercício de um poder natural mas superior às forças ordinárias da natureza. São o resultado de uma ciência (conhecimento) e de um hábito [prática continuada]. ... O sobrenatural é simplesmente o natural extraordinário ... um milagre é um fenômeno que impressiona ... porque é inesperado ... surpreende os que ignoram suas causas ... Só há milagres para os ignorantes; mas como não existe ciência absoluta entre os homens, o milagre ainda pode existir, e existe para todos. ... Mas para fazer milagres é preciso estar fora das condições comuns da humanidade; é preciso estar ou abstraído pela sabedoria, ou exaltado pela loucura, acima de todas as paixões.
... Assim, por uma lei providencial ou fatal, o mago só pode exercer a onipotência  na razão inversa de seu interesse material... Vós, pois, que procurais na magia o meio de satisfazer vossas paixões, parai neste caminho funesto; só achareis nele a loucura ou a morte, conforme a tradição popular: mais cedo ou mais tarde o diabo acaba por torcer o pescoço dos feiticeiros. [p 239 | 240]


DIVINDADE HUMANA
Deus age pelas suas obras: no céu opera pelos (através dos) anjos e na terrra pelos homens. Logo, no círculo de ação dos anjos, os anjos podem tudo que é possível a Deus e no círculo de ação dos homens, os homens dispõem, igualmente, da onipotência divina. ...O domínio do homem é toda natureza corporal e visível na terra ...pode modificar a atmosfera, agir até certo ponto sobre as estações, conservar a vida e dar a morte. ...O poder absoluto sobre a própria razão e a própria vontade é o maior poder que o homem pode alcançar e é por meio deste poder que (o mago) opera, deixando espantada a multidão que, então, fala em MILAGRE. A mais perfeita pureza de intenção é indispensável ao taumaturgo; depois lhe é necessária uma corrente favorável e uma confiança ilimitada. O homem que chegou a nada desejar e a nada temer é o senhor de tudo. ... Na Terra, nada resiste a uma vontade razoável e livre. Quando o sábio diz: "Eu quero", é o próprio Deus que quer e tudo o que ordena se realiza. [p 385 - 386]


PREPARAÇÃO DO MAGO ─ ADESTRAMENTO
"... para fazer milagres, é preciso estar fora das condições comuns da humanidade. (...) O magista deve ser impassível, sóbrio e casto, impenetrável e inacessível a toda espécie de preconceitos ou terror. ... A primeira e mais importante das obras mágicas é chegar a esta rara superioridade. ... Quereis reinar sobre vós mesmos e os outros ? Aprendei a querer. ... A preguiça e o esquecimento são inimigos da vontade. ... Que e preciso fazer primeiramente ? ... Levantar-vos todos os dias à mesma hora e cedo; lavar-vos em qualquer estação, antes do dia, numa fonte; nunca trazer roupas sujas, e, para isso, lavá-las vós mesmos, se for preciso; submeter-vos às privações voluntárias, para melhor suportar as involuntárias; depois impor silêncio a todo desejo que não seja o da realização da grande obra. ... Um preguiçoso nunca será mago. A magia é um exercício de todas as horas e de todos os instantes. É preciso que o operador das grandes obras seja senhor absoluto de si mesmo; que saiba vencer as atrações do prazer, o apetite e o sono; que seja insensível ao sucesso como à afronta "... [LEVI, op.ct. vol II, capítulo I ─ As preparações]

PURIFICAÇÃO 
A purificação do mago deve consistir na abstinência das voluptosidades brutais, num regime vegetariano e brando, nas supressões dos licores fortes e na regularidade das horas de sono. Essa preparação foi indicada e representada, em todos os cultos, por um tempo de penitências e privações... É preciso observar ... a limpeza mais escrupulosa. ... É preciso também lavar ou mandar lavar com cuidado as roupas, os móveis e os vasos que se usam. Toda sujidade atesta negligência, e, em magia, negligência é mortal... É preciso purificar o ar, ao levantar-se e deitar-se... Não devemos falar com ninguém das obras que realizamos... o mistério é condição rigorosa de todas as operações da ciência. É preciso desviar os curiosos, alegando outras ocupações... mas a palavra proibida da magia nunca deve ser pronunciada... O mago deve isolar-se no começo, e mostrar-se muito difícil em relações, para concentrar em si sua força e escolher os pontos de contato... É preciso evitar, tanto quanto possível, a vista das coisas horrendas e das pessoas feias; não comer em casa das pessoas que não se estimam, evitar todos os excessos e viver de modo mais uniforme e organizado... [245]


POSTURA MENTAL
Para se preservar das más influências a primeira condição é evitar que a imaginação se exalte. Todos os exaltados são mais ou menos loucos ...Ponde-vos pois acima dos temores pueris e desejos vagos; crêde na sabedoria suprema ...Deus é visível nas suas obras, e nada pede aos seres contra as leis da natureza deles ... Fé, confiança; tende confiança não nos homens que vos falam mal da razão, porque são loucos ou impostores, mas sim na eterna razão que o verbo divino, esta luz verdadeira, oferecida, como o sol, à intuição de toda a criatura humana ...Se acreditardes na razão absoluta e se desejais mais do que tudo a verdade e a justiça, não deveis temer ninguém e só amareis os que são amáveis. A vossa luz natural repelirá instintivamente os malvados ...Assim, até as substâncias venenosas que poderiam vos ser administradas não afetarão a vossa inteligência. (p 379) 

A formação de um mago é essencialmente holística.
Seus estudos são amplos e abrangem todas as áreas
da ciência: humanas, exatas e naturais como física,
química, biologia, etc. além das práticas destinadas
ao condicionamento e integração entre o corpo e a mente.


SER MAGO
A magia, que os antigos chamavam Sanctum Regnum, o Santo Reino ou Reino de Deus, Regnum Dei, só é feita para os reis e padres. Sois padre? Sois rei? ...O homem que é escravo de suas paixões ou dos preconceitos deste mundo não poderia ser um iniciado; ele nunca se elevará enquanto não se reformar; não poderia, pois, ser um adepto, porque a palavra adepto significa aquele que se elevou por sua vontade e suas obras.[(p 72]
Para adquirir o poder mágico são necessárias duas coisas: desembaraçar a vontade de toda servidão e exercê-la [submetê-la, à VONTADE] à dominação. ... Querer bem, querer por longo tempo e querer sempre, tal é o SEGREDO DA FORÇA. [p 280]

Aquele que se entrega às obras da ciência deve fazer, cada dia, um exercício moderado, abster-se das vigílias muito prolongadas e seguir um regime são e regular. Deve evitar as emanações cadavéricas, a aproximação de águas apodrecidas, os alimentos indigestos e impuros. Deve, principalmente, distrair-se todos os dias das preocupações mágicas por trabalhos quer de arte, de indústria ou ofício. O meio de ver bem é não olhar sempre, e aquele que passasse a vida visando sempre um mesmo fim, acabaria por nunca atingi-lo. [p 278]
Um homem verdadeiramente homem só pode querer o que deve ... por isso, impõe silêncio aos desejos e ao temor, para escutar a razão. Um homem assim é um rei natural e um sacerdote espontâneo para as multidões errantes. Por isso o objeto das iniciações antigas se chamava indiferentemente arte sacerdotal. As antigas associações mágicas eram seminários de sacerdotes e reis e a pessoa só podia ser admitida nelas por obras verdadeiramente sacerdotais e reais, isto é, pondo-se acima de todas as fraquezas humanas ...

[O iniciado das antigas tradições] ... abandonava inteiramente sua vida e sua liberdade aos mestres do templo de Tebas ou de Mênfis. ... Abjurar momentaneamente a sua liberdade [ou hábito?] ... eis o que devem fazer e sempre fizeram os que aspiram aoSanctum Regnum da onipotência mágica. Os discípulos de Pitágoras condenavam-se a um silêncio rigorosos de vários anos. ... A vida é uma guerra em que é preciso dar provas para subir um grau: FORÇA não se obtêm do nada; é preciso tomá-la. A iniciação pelas provas é indispensável para chegar à ciência prática da magia. [p 300 | 302]


EDUCAÇÃO DA VONTADE
Muitas pessoas dirão que ... a força de vontade e a energia de caráter são dons da natureza. Não discordo disso, mas reconheço também que o hábito pode refazer a natureza; a vontade pode ser aperfeiçoada pela educação e ... todo cerimonial mágico ... só tem por objetivo experimentar, excitar e habituar assim, a VONTADE à perseverança e à força. Quanto mais as práticas são difíceis e humilhantes, tanto mais têm efeitos; agora, deveis compreendê-lo. ... As cerimônias, as vestimentas, os perfumes, os caracteres e as figuras são instrumentos de exercício da imaginação e educação da VONTADE [p 281 | 283]


DISCRIÇÃO ABSOLUTA
Não vos vanglorieis das obras que operastes ... Meditai sobre a duodécima figura das chaves do Taro (O Enforcado, em seu aspecto de Iniciado) ... e calai-vos. ... O mago deve viver no retiro ... É o que representa o símbolo da nona chave do Taro (O Ermitão), em que o iniciado é figurado por um eremita inteiramente envolto em seu manto. Todavia, este retiro não deve ser o isolamento. Ele precisa de devotamentos e amizades; mas deve escolhê-las com cuidado e conservá-las a todo preço. Deve ter uma outra profissão que não seja a de mago; a magia não é um ofício. Para se entregar à magia cerimonial é preciso estar sem preocupações inquietadoras; é preciso poder adquirir todos os instrumentos da ciência ... é preciso, enfim, ter um laboratório inacessível, onde não haja risco de ser surpreendido ou perturbado. [p 296 | 296]


MAGOS E ANIMAIS
O homem que se libertou da cadeia dos instintos perceberá primeiramente sua onipotência pela submissão dos animais. ... Raramente um homem tem alguma coisa a recear de um animal do qual não tem medo. [p 281]


PERIGOS DA MAGIA
Como já dissemos várias vezes, as operações da magia não são isentas de perigo. Podem levar à loucura ... Podem excitar o sistema nervoso e produzir terríveis e incuráveis doenças. ... Nada é mais perigoso do que fazer da magia um passatempo, como certas pessoas que fazem dela as diversões das suas tardes. [p 295]


IMAGINAÇÃO
Um dos poderes mais estranhos da imaginação humana é o da realização dos desejos da vontade ou até de seus temores e apreensões. A pessoa crê facilmente no que teme ou no que deseja, diz o provérbio, e tem razão, porque o desejo e o temor dão à imaginação uma força realizadora, cujos efeitos são incalculáveis.


DIABO
... o diabo não é uma pessoa. É uma força desviada, como, aliás, o nome indica. Uma corrente ódica ou magnética, formada por uma cadeia de vontades perversas, constitui esse mau espírito, que o evangelho chama Legião ...Satã, como personalidade superior e como potência é a personificação de todos os erros, perversidades e, por conseguinte, personificação de todas as fraquezas. ... O dogma de Zoroastro, a lei mágica das duas forças que constituem o equilíbrio universal, mal entendido, foi utilizado doutrinariamente para explicar as aberrações da magia negra.

Esta deturpação, o MANIQUEÍSMO, deu origem à concepção de uma divindade negativa ...Esse deus mau, nascido da imaginação dos sectários, tornou-se o inspirador de todas as loucuras e de todos os crimes. Ofereceram-lhe sangrentos sacrifícios; a idolatria monstruosa substituiu a verdadeira religião; a magia negra fez caluniar a alta e luminosa magia dos verdadeiros adeptos e houve nas cavernas e nos lugares desertos, horríveis conventículos de feiticeiros, vampiros e estriges: porque a demência logo se muda em frenesi e dos sacrifícios humanos à antropofagia há somente um passo. [p 279 - 338 - 339]



SABBAT - TRANSE E ALUCINÓGENOS
Para um grande número de infelizes ...o Sabbat era simplesmente um longo pesadelo ...obtido por meio de beberagens, fumigações (queima de ervas e perfumes) e fricções narcóticas. Porta (que já apontamos como um mistificador) ...dá, na sua Magia Natural, a pretensa receita do ungüento das feiticeiras ...Ele o compõe com gordura de criança, acôntido fervido com folhas de álamo e algumas outras drogas ...As composições opiáceas, a seiva ou essência de cânhamo, entrariam com não menos sucesso em tais composições. A gordura ou o sangue das aves noturnas, junto com esses narcóticos e ainda a cerimônia da magia negra podem ferir a imaginação e determinar a direção dos sonhos. [p 339]


SUPERSTIÇÃO




Superstição é uma palavra latina que significa sobreviver. É o sinal que sobrevive ao pensamento; é o cadáver de uma prática religiosa. [p 197]


DIFERENÇA ENTRE MAGIA E BRUXARIA
Há uma verdadeira e uma falsa ciência, uma magia divina e uma magia infernal, isto é, mentirosa e tenebrosa; temos que revelar uma e desvendar outra; temos que distinguir o mago do feiticeiro e o adepto do charlatão. O mago dispõe de uma força que conhece, o feiticeiro procura abusar do que ignora. (...) O mago é o soberano pontífice da natureza, o feiticeiro não passa de um profanador. [p 73]





 
ENFEITIÇAMENTOS
...afirmamos sem temor que o enfeitiçamento é possível. (...) não só é possível como também é, de algum modo, necessário e fatal. Realiza-se sem cessar, no mundo social, sem conhecimento dos agentes e pacientes. O enfeitiçamento involuntário é um dos mais terríveis perigos da vida humana. (...) Há, pois, duas espécies de enfeitiçamentos: o enfeitiçamento involuntário e o enfeitiçamento voluntário. Pode-se também distinguir o enfeitiçamento físico do enfeitiçamento moral. ...o enfeitiçamento “POR CORRENTE” é uma coisa muito comum, como notamos; somos levados pela multidão, no moral como no físico. As doenças morais são mais contagiosas do que as doenças físicas, e os sucessos de predileção e moda [os fenômenos dos modismos] ...poderíamos comparar à lepra ou ao cólera-morbo. [p 177 | 178]


MULHERES
O que contribui para tornar histéricas as mulheres (século XIX) é sua educação débil e hipócrita. Se fizessem mais exercícios, se lhes ensinassem as coisas do mundo ...elas seriam menos caprichosas, menos vaidosas, menos fúteis e, por conseguinte, menos acessíveis às más seduções. A fraqueza sempre se simpatiza com o vício, porque o vício é uma fraqueza que se dá a aparência de uma força. [p 379]

(Um homem) Aquele que se quer fazer amar (por uma mulher) ...deve, primeiramente, fazer-se notar e produzir uma impressão qualquer na imaginação da pessoa que deseja. Que a encha de admiração, espanto ou terror, de horror até, se só tiver este expediente; mas é preciso a todo preço que, para ela, ele saia da posição dos homens comuns e que tome, de boa ou má vontade, um lugar na sua memória.[p 373]

Uma grande decepção para o amor próprio de certas mulheres honestas é descobrir que, no íntimo, o homem a quem tomavam por um bandido, é, na verdade, bom e irreprovável. Desprezam então o bonachão dizendo-lhe: "Tu não és o diabo!". Disfarçai-vos, pois, em diabo o mais perfeitamente possível, vós que quereis seduzir um anjo. ...A posição de um homem de grandes princípios e caráter rígido somente é encantadora para mulheres imunes aos truques de sedução; todas as outras, sem exceção, adoram os maus homens.[p 373]

Pode-se dizer que o amor, principalmente na mulher, é uma verdadeira alucinação. ...Sendo dado este conhecimento transcendental da mulher, há uma segunda manobra a se operar para atrair sua atenção: é não se ocupar dela ou ocupar-se de um modo que humilhe seu amor próprio, tratando-a como uma criança e afastando qualquer hipótese de estar lhe fazendo a corte. Então, os papéis mudarão: ela fará tudo para vos tentar, ela vos iniciará nos segredos que as mulheres se reservam, vestir-se-á e despir-se-á diante de vós, dizendo coisas como estas: "Entre mulheres, entre velhos amigos, não vos temo, não sois homem para mim" etc. ... aproximar-se-á de vós sob um pretexto qualquer, vos roçará com seus cabelos, deixará o roupão se abrir...p 374 - 375]


TRANSMUTAÇÕES
As transmutações e metamorfoses foram sempre,na opinião do vulgo, a própria essência da magia. Ora, o vulgo, ...jamais acerta ou se engana completamente. A magia muda realmente a natureza das coisas ou, antes, modifica à sua vonate as aparências ... A palavra cria sua forma ...As coisa são, para nós, o que o nosso verbo interior as faz serem. Julgar-se feliz é ser feliz. ...Muitas vezes, sob o domínio de uma forte preocupação, OLHAMOS SEM VER ..."Fazei com que olhando não vejam" disseo o grande iniciador ...que, um dia, vendo-se a ponto de ser lapidado no templo, se fêz INVISÍVEL e saiu. (Capítulo xIV - p 329 | 333]

 
POÇÕES
Atacamos, agora, o abuso mais criminoso que se pode fazer das ciências mágicas: é a magia, ou antes a feitiçaria envenenadora. ...Se a justiça humana, usando de rigor contra os adeptos, só tivesse atingido os necromantes e feiticeiros envenenadores ...seus rigores teriam sido justos (...) contra semelhantes celerados. ...João Baptista Porta, em sua Magia Natural, dá uma receita do veneno dos Bórgias... Podemos, pois, dar aqui a receita de Porta, somente para satisfazer a curiosidade dos nossos leitores.
O sapo, por si mesmo, não é venenoso, mas é uma esponja de venenos. Tomai, pois, uma grande sapo, diz Porta, e prendei-o numa garrafa com víboras e áspides (sinônimo de pequena cobra venenosa); dai-lhes para alimento, durante vários dias, cogumelos venenosos, a digital e a cicuta, depois irritai-os, batendo-lhes, queimando-os, atormentando-os de todas as maneiras, até que morram de raiva e fome. Salpicai-os então de escuma de cristal pulverizado e eufórbio (raiz venenosa da família da mandioca). Depois, pô-los-ei numa redoma bem fechada e fareis secar lentamente toda a sua umidade pelo fogo. Em seguida, deixareis esfriar e separeis a cinza dos cadáveres ... O pó fará dessecar e envelhecer em alguns dias, depois morrer no meio de horríveis sofrimentos, ou uma atonia geral, aquele que tiver tomado uma pitada misturada com sua bebida.
É preciso convir que esta receita tem uma fisionomia mágica das mais feias ... Eram semelhantes pós que os feiticeiros da Idade Média ... vendiam a grande preço à ignorância e ao ódio; era pela tradição de semelhantes mistérios que espalhavam o espanto nos campos e chegavam a lançar sortes. Uma vez ferida a imaginação, uma vez atacado o sistema nervoso, a vítima perecia rapidamente ... Só a operação destas más obras e a realização destes horríveis mistérios constituíam e confirmavam o que então era chamado de pacto com o mau espírito. É certo que o operador devia pertencer ao mal de corpo e alma... [p 192 | 195 | 196]


AMÊNDOAS E NICOTINA
O ácido prússico é um terrível agente de envenenmento do pensamento. É por isso que é preciso evitar qualquer destilação que tenha o gosto de amêndoa, afastar do quarto de dormir as amendoeiras e os daturas, os sabonetes de amêndoas, os leites de amêndoas e, em geral, todasas composições de perfumaria emque o cheiro das amêndoas dominarem, principalmente se sua ação sobre o cérebro for reforçada pelo âmbar.

O emprego do fumo, como o tabaco ...é um auxiliar perigoso dos filtros entorpecedores e dos envenenamentos da razão. A nicotina, como se sabe, não é um veneno menos violento que o ácido prússico e se acha em maior quantidade no fumo que nas amêndoas. [p 375 - 376]


MAU OLHADO
No Norte, onde os instintos são mais reprimidos e mais vivazes; na Itália, onde as paixões são mais expansivas e mais ardentes, ainda são temidas as sortes e o mau olhado em Nápoles, a jettatura não é desafiada impunemente a , e até reconhecemos, por certos sinais exteriores, os seres desgraçadamente dotados deste poder. Para garantir-se contra isso, é preciso trazer consigo chifres, dizem os práticos, e o povo, que toma tudo ao pé da letra, apressa-se em enfeitar-se com pequenos cornos, sem pensar no SENTIDO DA ALEGORIA. Os chifres, atributos de Júpiter Amon, Baco e Moisés, são SÍMBOLOS da força moral e do entusiasmo; e os magos querem dizer que para desafiar a jettatura, é preciso DOMINAR POR UMA GRANDE OUSADIA, um grande entusiasmo ou um GRANDE PENSAMENTO a CORRENTE fatal dos instintos. [p 196]



NECROMANCIA & GOETHIA
As evocações (de espíritos) devem ser sempre motivadas e ter um fim louvável; de outro modo são operações das trevas e de loucura, muito perigosas paera a razão e a saúde. Evocar por pura curiosidade ...é estar já disposto a afadigar-se só com prejuízo. ...O motivo louvável de uma evocação pode ser o amor ou a inteligência (busca de conhecimento).


RECEITA PARA EVOCAÇÃO DOS MORTOS!!!
Os processos da magia negra têm por fim perturbar a razão e produzir todas as exaltações febris que dão coragem para os grandes crimes. ...É assim que, no Grande Grimório ...encontram-se processos de necromancia que consistem em:
1. Cavar a terra dos túmulos com as unhas e deles tirar ossos que devem ser conservados no peito em forma de cruz.
2. Assim "paramentado", assistir à missa da meia-noite, em uma igreja, na noite de Natal (Missa do Galo) e, no momento da elevação, levantar-se e fugir exclamando: "Que os mortos saiam de seus túmulos!".
3. Voltar ao cemitério, tomar um punhado de terra que se ache bem perto de um caixão, voltar correndo para a porta da igreja, cujos assistentes terá espantado com a cena anterior, e ali depor os dois ossos arrumados em cruz exclamando de novo: "Que os morto saiam de seus túmulos!"; e se não houver, então, ninguém para vos prender e levar para o hospício, o necromante deve afastar-se a passos lentos e contar 4 mil e 500 passos sem se de nada se desviar e sem olhar para trás.
4. No fim desta caminhada de 4 mil e 500 passos, espalhareis a terra que tens nas mãos em forma de cruz e deitar-vos-ei no chão, assumindo a postura de um cadáver e repetireis mais uma vez: "Que os mortos saiam de seus túmulos!" e evocareis por fim aquele que desejais que apareça. [RITUAL, Capítulo XV - p 328]


MAGIA E CRISTIANISMO


SINAL DA CRUZ
O sinal da cruz pelos cristãos não lhes pertence exclusivamente. É cabalístico e representa as oposições e o equilíbrio quaternário dos elementos. Primitivamente, havia duas maneiras de o fazer ... uma reservada aos padres iniciados; a outra oferecida aos neófitos e profanos ... o iniciado,levando a mão à testa (e contiuando o gesto conhecido), dizia: A TI PERTECEM: O REINO, A JUSTIÇA E A MISERICÓRDIA NOS CICLOS GERADORES ... [p 269]


REIS MAGOS
A estrela alegórica dos magos outra coisa não é senão o misterioso pentagrama; e estes três reis, filhos de Zoroastro (discípulos), guiados pela estrela flamejante ao berço do Deus microcósmico, seriam suficientes para provar as origens inteiramente cabalísticas e verdadeiramente mágicas do dogma cristão. Um destes reis é branco, outro preto e o terceiro é moreno. O branco oferece ouro, símbolo da vida e da luz; o preto oferece mirra, imagem da morte e da noite; e o moreno apresenta o incenso, emblema do dogma divino, conciliador dos dois princípios (vida e morte); depois voltam ao seu país por um outro caminho, para mostrar que um culto novo é simplesmente um novo caminho para levar a humanidade à religião única, a do ternário sagrado (Santíssima Trindade) e do irradiante pentagrama, um único catolicismo... [p 275 | 276]


ORÁCULOS
A adivinhação, que se faz pelas quatro formas elementares (através), são chamadas: aeromancia, hidromancia, piromancia e geomancia, Com efeito, os quatro elementos são simplesmente instrumentos para ajudar a segunda vista... Os temperamentos sanguíneos são mais dispostos à aeromancia, os biliosos à piromancia, os pituitosos à hidromancia e os melancólicos à geomancia. A aeromancia confirma-se pela ONEIROMANCIA ou adivinhação pelos sonhos; supre-se a piromancia pelo magnetismo (“leitura” da aura), a hidromancia pela cristalografia (“leitura” nos cristais), e a geomancia pela cartomancia. ... Mas a adivinhação, de qualquer modo que a operemos, é perigosa ou, ao menos, inútil, porque desanima a vontade, embaraça a liberdade e fatiga o sistema nervoso. [p 271]


SOBRE O AMOR
Pode verdadeiramente vencer a voluptosidade do amor, somente quem venceu o amor da voluptosidade. Poder usar e abster-se, é poder duas vezes. O amor vos prende pelos vossos desejos: sede senhor dos vossos desejos e prendereis o amor. ... Dispõe do amor dos outros quem é senhor do seu. Quereis possuir, não vos deis.
Quando a atmosfera magnética de duas pessoas é de tal modo equilibrada que o atrativo de uma aspira a expansão da outra, produz-se uma atração que se chama simpatia; então, a imaginação ... se faz um poema de desejos que arrastam a vontade e produz [nas pessoas envolvidas] em embebedamento completo de luz astral, que se chama de paixão propriamente dita ou amor.
O amor é um dos grandes instrumentos do poder mágico; mas é formalmente interdito ao mago, ao menos como embebedamento ou como paixão. ... O amor sexual é sempre uma ilusão, porque é o resultado de uma miragem ... A luz astral é o sedutor universal, figurado pela serpente do Gênese. Para apoderar-se dela, [da serpente, do amor como tipo de energia] é preciso, como a mulher predestinada, por o pé sobre sua cabeça.
A luz astral dirige os instintos animais e dá combate à inteligência... A antipatia outra coisa não é senão o pressentimento de um enfeitiçamento possível, enfeitiçamento que pode ser de amor ou de ódio, porque se vê, muitas vezes, o amor suceder à antipatia. (...) As paixões humanas produzem fatalmente, quando não são dirigidas, os efeitos contrários ao desejo desenfreado. O amor excessivo produz a antipatia...


MORTE

Eugène Delacroix: The Death of Ophelia, 1843 ─ Litografia

A morte é um fantasma da ignorância; ela não existe: tudo é vivo na natureza e, porque tudo é vivo, tudo se move e muda incessantemente de formas. A velhice é o começo da regeneração ...O corpo é uma vestimenta da alma. Quando esta vestimenta está completamente gasta ou grave e irreparavelmente danificada, a alma a deixa ...A morte não é nem o fim da vida nem ocomeço da imortalidade; é a continuação e a transformação da vida.


VERBO
A vida se prova pelo movimento. ...os desenvolvimentos da vida por si mesma e sua produção de formas novas, nós chamamos criação. A potência inteligente que age no movimento universal, chamamo-la o verbo, de um modo transcendental e absoluto. [LEVI, 1995 - p. 18].
O homem é o taumaturgo da terra, e pelo seu verbo, isto é, pela sua palavra inteligente, dispõe das forças fatais. Irradia e atrai como os astros ...eis o segredo terrível que era escondido com tanto cuidado nas sombras dos antigos santuários. [p 43]
Que é um princípio? É uma base de palavra, é uma razão de ser do verbo ... a inteligência é um princípio que fala. ... Que é a luz intelectual? É a palavra (...) o ente é o princípio, a palavra é o meio e a plenitude ou o desenvolvimento, e a perfeição do ente é o fim; falar é criar. [p 71]


VERBO, FORMA E LUZ ASTRAL
Toda forma é véu de um verbo, porque a idéia, mãe do verbo, é a única razão de ser das formas. Toda figura é um caráter, todo caráter pertence e volta a um verbo. ... a forma é proporcional à idéia.
[p 77, 78]
Todas as formas correspondem a idéias, e não há idéia que não tenha sua forma própria e particular. A luz primordial (campo de ressonância mórfica), veículo de todas as idéias, é a mãe de todas as formas e transmite-as de emanação em emanação, apenas diminuídas ou alteradas por causa da densidade dos meios. ... a luz astral ou o fluido terrestre, que chamamos o grande agente mágico, está saturado de imagens ou reflexos de toda espécie os quais a nossa alma pode evocar e submeter ... Estas imagens sempre nos estão presentes e somente se acham apagadas pelas impressões mais fortes da realidade durante a vigília, ou pelas preocupações do nosso pensamento, que deixa nossa imaginação desatenta ao panorama móvel da luz astral. Quando dormimos, este espetáculo se apresenta por si mesmo a nós, e é assim que se produzem os sonhos... [p 111]
O verbo perfeito é ternário, porque supõe um princípio inteligente, um princípio que fala e um princípio falado. (...) A própria gramática atribui três pessoas ao verbo. A primeira é a que fala, a segunda é aquela a quem se fala, a terceira é aquela de quem se fala. O princípio infinito, ao criar, fala de si mesmo a si mesmo. [p 91]
COMENTÁRIO:
O Verbo Perfeito Ternário refere-se às três pessoas da conjugação verbal: eu, tu, ele e seus plurais ou, ainda, como em teoria da comunicação, o emissor, o receptor e o conteúdo da mensagem. Em semiótica a semiose na relação entre sujeito(s) emissor(es), signo(s), e sujeitos(s) receptor(es). A estrutura básica da sintaxe também se compõe pela relação de três elementos: sujeito, verbo e objeto ou, agente, ação e paciente. A divindade é trina e seu mistério pode ser traduzida por analogia com a expressão do pensamento e da fala. Deus é agente, ato e paciente. É Aquele que fala DE SI MESMO PARA SI MESMO. O Verbo é Criador neste ato de expressão linguística que desencadeia o surgimento de todas as coisas. Na aparente simplicidade do pensar-dizer EU SOU o Deus-Um se faz Trino e afirmando sua consciência de SER, percebendo-se ontologicamente, realiza este SER, que é infinito em suas manifestações.


MUNDO INVISÍVEL
Não há mundo invisível, há somente vários graus de perfeição nos orgãos. ... A alma pode perceber por si mesma e sem intermédio dos orgãos corporais (...) Espiritual e corporal são palavras que somente exprimem os graus de tenuidade ou densidade da substância. O que se chama, em nós, imaginação, não é mais que propriedade inerente à nossa alma de se assimilar as imagens e os reflexos contidos na luz viva, que é o grande agente magnético. ... Assim, para o sábio, imaginar é ver, como, para o mago, falar é criar. [p 109]


SISTEMA DE VIBRAÇÕES E CORRENTE MAGNÉTICA
Uma vontade lúcida pode agir sobre a massa da luz astral, e, com o concurso de outras vontades que absorve e arrasta, determinar grandes e irresistíveis correntes. ...a luz astral se condensa ou se rarifica, conforme as correntes a acumulam, mais ou menos, em certos centros. ...Todo esforço inteligente da vontade é uma projeção de fluido ou luz humana, e aqui importa distinguir a luz humana da luz astral ...Servindo-nos da palavra fluido, empregamos uma expressão generalizada ...mas estamos longe de dizer que a luz latente seja fluido. Tudo nos levaria, pelo contrário, a preferir, na explicação deste ente fenomenal [luz astral], o sistema de vibrações. [p 118]
O corpo absorve o que o rodeia e irradia sem cessar, projetando seus miasmas e suas moléculas invisíveis; o mesmo acontece com o espírito, de modo que este fenômeno, chamado por alguns místico o respiro, tem realmente a influência que lhe é atribuída, quer no físico, quer no moral. É realmente contagioso... achar-se no círculo de atração e expansão dos malvados. [p 119]


REALIZAÇÃO
As realidades ...constituem as proporções do ideal, e o mago só admite como certo, no domínio das idéias, o que é demonstrado pela realização da palavra ...Um pensamento se realiza tornado palavra [nome, como em santo Agostinho, 1980]; esta [palavra, nome, idéia referência] se realiza pelos sinais, sons e figuras de sinais; é este o primeiro grau de realização. Depois ela se imprime na luz astral por meio ...da escrita ou da palavra [fala, voz articulada]; ela influi sobre outros espíritos, refletindo-se neles; se refrata atravessando o diáfano dos outros homens, aí toma formas e proporções novas, depois se traduz em ato e modifica a sociedade e o mundo; é este o último grau de realização. [p 128]


PENTAGRAMA, SIGNO DO PODER
os espíritos elementais são submissos a este signo, quando o é empregado com inteligência ...Todos os espíritos criados se comunicam entre si por sinais e aderem a um certo de número de verdades expressas por certas formas determinadas. ...Paracelso ...afirma que todas as figuras mágicas e todos os signos cabalísticos dos pentáculos aos quais os espíritos obedecem, se reduzem a dois ...o signo do macrocosmo ou o sêlo de Salomão ...e o do microcosmo, ainda mais poderoso que o primeiro, isto é, o pentagrama...
Se perguntarem como um signo pode ter tanto poder sobre os espíritos elementais, perguntaremos, por nossa vez: por que o mundo cristão se prosternou diante do sinal da cruz? O sinal por si mesmo nada é, e só tem força pelo dogma de que é resumo e verbo. Ora, um signo que resume, exprimindo-as, todas as forças ocultas da natureza, um signo que sempre manifestou aos espíritos elementares e outros um poder superior (...) naturalmente os enche de respeito e temor e os força a obedecer, pelo império da ciência e da vontade sobre a ignorância e a fraqueza. [p 112-115]


AS PALAVRAS OCIOSAS
Os pensamentos que não se traduzem em palavras são pensamentos perdidos para a humanidade; as palavras que não são confirmadas por atos são palavras ociosas, e não há grande distância da palavra ociosa à mentira. [p 131]


CORRENTE MAGNÉTICA OU CADEIA MÁGICA
Todo entusiasmo propagado numa sociedade, por uma continuidade de comunicações e práticas firmes, produz uma corrente magnética e se conserva ou aumenta pela corrente. A ação da corrente é arrastar e, muitas vezes, exaltar fora da medida as pessoas impressionáveis e fracas, as organizações nervosas, os temperamentos dispostos ao histerismo e às alucinações. Estas pessoas se tornam poderosos veículos da força mágica, projetam com força a luz astral na própria direção da corrente; opor-se, então, às manifestações de força, seria, de algum modo, combater a fatalidade. ...os círculos mágicos e as correntes magnéticas se estabelecem por si mesmos e influem, conforme leis fatais [p 150]
Formar a cadeia magnética é fazer nascer uma corrente de idéias que produza a fé e arraste um grande número de vontades num círculo dado de manifestações pelos atos. Uma cadeia bem formada é um turbilhão que arrasta e absorve tudo. Podemos estabelecer a cadeia de três modos: pelos sinais, pela palavra e pelo contato. ...Os sinais, uma vez recebidos e propagados, adquirem força por si mesmos. A vista e a imitação do sinal da cruz eram suficientes, nos primeiros séculos, para fazer prosélitos ao cristianismo. ...A imaginação é criadora, não somente em nós, mas também fora de nós, pelas nossas projeções fluídicas ...A imprensa é um admirável instrumento para formar a cadeia magnética pela propagação da palavra. Com efeito, nenhum livro é perdido, os escritos vão sempre onde devem ir e as aspirações do pensamento atraem a palavra. [p 308/311]


SIGNOS
Todo signo corresponde a uma idéia e tem a forma especial de uma idéia. (p 251)


RITUAIS E TALISMÃS
Para o magista todos os pensamentos e rituais são signos combinados no sentido de expressar um pensamento e uma vontade:
"As cerimônias, as vestimentas, os perfumes, os caracteres e as figuras, sendo, como já dissemos, necessários para empregar a imaginação na educação da vontade, o sucesso das obras mágicas depende da fiel observação de todos os ritos. [Estes ritos são fundamentados] pelas leis essenciais da realização analógica e da relação que existe necessariamente entre as idéias e as formas" [p 283]
O verdadeiro magista enfeitiça sem o cerimonial e somente pela reprovação àqueles que julga necessário punir; enfeitiça até pelo seu perdão os que lhe fazem mal, e nunca os inimigos dos iniciados ficam impunes de suas más ações. ... Os enfeitiçamentos dos feiticeiros são de uma outra sorte e podem ser comparados a verdadeiros envenenamentos de uma corrente de luz astral [As cerimônias que praticam servem para “exaltar” a VONTADE a fim de faze-la agir à distância.] ...Denunciemos aqui alguns de seus processos reprováveis:
Procuram ou solicitam cabelos ou roupas da pessoa cuja vida querem influenciar. Quando querem amaldiçoar, escolhem um animal que, a seus olhos, seja o símbolo da vítima.  Os cabelos e pedaços da roupa são costurados ao animal, seja no corpo, seja dentro da boca. Chamam o animal pelo nome da vítima, depois matam-no com só golpe de uma faca “mágica”, abrem-lhe o peito, arrancam-lhe o coração ... e durante três dias, a toda hora, enterram neste coração pregos, alfinetes ou espinhos, pronunciando maldições sobre o nome da pessoa que se pretende enfeitiçar. Acreditam [e muitas vezes com razão] que assim estão atingindo a pessoa simbolizada. [Os procedimentos aqui descritos lembram o princípio do vodoo]. A vítima, muitas vezes previamente e longamente impressionada, pode, de fato, começar a enfraquecer-se e, no fim de algum tempo, morre de um mal desconhecido. ... O enfeitiçamento é mais infalível se a pessoa puder obter cabelos, sangue e, principalmente, um dente da pessoa enfeitiçada. Desta crença surgiu o ditado popular: “Tendes um dente contra mim”.

... As AMEAÇAS são enfeitiçamentos reais quando agem vivamente sobre a imaginação, principalemnte se esta imaginação aceita facilmente a existência de um poder oculto ... A terrível ameaça do inferno, este enfeitiçamento da humanidade durante vários séculos, criou mais pesadelos, mais doenças sem nomes e mais loucuras furiosas do que todos os vícios e excessos reunidos. ...Mas o enfeitiçamento produz um efeito absolutamente contrário às intenções do operador quando a ameaça é vã, quando se depara com altivez naquele que é ameaçado, quando se depara com resistência... Um grande meio se repelir enfeitiçamentos é não temê-los. O enfeitiçamento age à maneira das doenças contagiosas. Em tempo de peste, os que têm medo são os primeiros atacados. O meio de não temer o mal é não ocupar-se dele. ... [No plano físico, são consideradas medidas de HIGIENE ENERGÉTICA: 1. providenciar lavar com cuidado ou queimar peças de roupa e banho quando quiser descartar-se delas. Lavar, se pretende doar;
2. Jamais fazer uso de um vestuário que serviu a um desconhecido sem ter purificado este vestuário pela lavagem e pela fumigação com incensos de cânfora ou âmbar. [LEVI, op. cit. p 353 a 358]


VIA CRUCIS
A lenda do Judeu Errante: um povo mandou um sábio ao suplício, dizendo-lhe: “Caminha!” quando ele queria descansar um instante. Pois bem, este povo vai sofrer uma condenação semelhante, vai ser proscrito inteiramente e, durante séculos, dir-lhe-ão: “Caminha!”, sem possa achar piedade ou descanso. [p 353]






quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Magia e os poderes do ser humano (Eliphas Levi)

Definição e escolas principais
A crença na realidade dos poderes mágicos do ser humano é um fator comum a todas as culturas. Não há povo, tribo ou civilização, desde os primórdios da história até os nossos dias, que não traga o relato de pessoas especiais ou possuidoras de segredos e técnicas que os tornam capazes de operar efeitos surpreendentes ou mesmo aparentemente impossíveis.
A Magia, de um modo geral, nada mais é do que a arte de causar EFEITOS VISÍVEIS a partir de CAUSAS INVISÍVEIS. O Mago, a bruxa ou o pajé são, portanto "colegas" de ofício, já que as leis mágicas pouco diferem entre si, apesar das diferenças culturais.
O uso concentrado e determinado do pensamento, da emoção e da vontade constitui o material básico que permite ao Mago atingir os efeitos que procura. No entanto, para que esses conteúdos interiores tornem-se mais efetivos, são apoiados em sinais físicos, concretos, surgindo assim uma infinidade de símbolos, ritos e métodos específicos.
Devido a seu potencial perturbador da Ordem Social, a Magia na Antigüidade ficava restrita à classe sacerdotal. O acesso aos Arcanos da Natureza era considerado um processo sagrado, sendo minuciosamente regulado. Também é importante observar que, muitas vezes, o acesso à própria escrita era também restrito aos Magos e Sacerdotes, categorias que muitas vezes confundiam-se em uma só.
A Magia apresenta uma série de conceitos básicos, idênticos ou muito semelhantes entre si. Os Magos postulam que o Ser Humano possui uma capacidade inata para o exercício da Magia. Essa capacidade, modernamente, recebeu o nome de função psi, conhecida há milênios e também chamada de manas, ju-ju, od, vril, gri-gri, axé...
"TUDO TEM A VER COM TUDO"
Outro conceito importante é o da unidade de todas as coisas em um outro plano, mais sutil, no qual trabalham os Místicos e os Magos. Esse campo, conhecido por alguns como PLANO ASTRAL, corresponde, em linhas gerais, a um conceito moderno de INCONSCIENTE COLETIVO, embora englobe muitas outras derivações. Outro dado importante, e que também extrapola os limites do inconsciente coletivo, é o de que nesse "mundo" os Magos se encontram, convivem e até duelam.

O QUE É A MAGIA?
Magia, imagem, imaginação: A noção de que todos os seres e coisas da natureza integram um Todo articulado e coerente entre si, nos traz o terceiro conceito essencial para que se compreenda o que é a Magia: A LEI DA ANALOGIA. Esta Lei Mágica nos propõe que tudo no mundo possui um valor simbólico natural, intrínseco.
Assim, por analogia:
PARA OS MAGOS, O SOL NO UNIVERSO...
O CORAÇÃO PARA O HOMEM...
O LEÃO ENTRE OS ANIMAIS...
O OURO ENTRE OS METAIS...
E O DIAMANTE ENTRE AS PEDRAS...
... EXPRESSAM uma energia semelhante, cada um em seu REINO.
Essa concepção deriva da relação entre o Microcosmo (o Ser Humano) e o Macrocosmo, pela qual o Homem representa no plano físico todas as Potências Espirituais. Assim, cada um é um universo único, singular, mas possui de forma potencial todos os poderes do Cosmo e da própria Divindade.
Além dessas, outra lei universalmente reconhecida entre os Magos de todos os tempos é a de que é imprescindível optar por uma das Forças: da LUZ ou das TREVAS. Mesmo nos raros casos em que a dualidade sobrexiste, há sempre uma tendência predominante, persistindo um antagonismo inevitável. Apenas hoje em dia começaram a surgir, pelo influxo de novas concepções filosóficas, escolas mágicas que propõem a unificação das duas Forças, numa visão não - dualista da Existência.

Escolas Principais
Como qualquer outra forma de Arte e principalmente por ser muito antiga, a Magia ramificou-se em uma infinidade de escolas e linhas distintas, de forma inumerável. Modernamente salientam-se algumas pelo seu caráter filosófico singular ou pelo expressivo número de seus adeptos.
Inglesa A Escola Inglesa apresenta três correntes principais de grande importância na História da Magia. A mais antiga é a escola dita enochiana , a partir dos trabalhos do célebre mago John Dee (1527-1608)e de seu discípulo Edward Kelley, que levaram a cabo uma série de operações mágicas que culminaram com a descoberta, através de anjos, de uma poderosa linguagem mística que seria o próprio idioma angélico, ou enochiano. Suas obras e os alentados tratados que legaram continuam sendo objeto de intensa pesquisa e experimentação por parte dos Magos ainda hoje.

Magia Wicca
Outra escola inglesa clássica de grande relevância é a da Magia Wicca, que também apresenta divisões. De modo geral, trabalha com o culto às Forças da Natureza através dos Antigos Deuses pagãos: a Grande Deusa-Mãe e o Grande Deus Chifrudo Cernunnos, que não se confunde com o Diabo, como querem alguns de seus detratores. A Wicca resgata os valores, ritos e instrumentos da antiga magia medieval e mesmo pré-cristã, de marcada influência celta.
Os ciclos lunares, bem como os equinócios e solstícios, desempenham papel fundamental nessa escola. Também são essenciais as datas específicas do culto, relacionadas com o ciclo das Terra e das colheitas.
As antigas sacerdotisas, para burlar a repressão, transformavam os próprios apetrechos domésticos em instrumentos mágicos, como a célebre vassoura, o caldeirão, a colher de pau, a faca, a corda, etc. Hoje em dia é uma das correntes mais atuantes dentro da Magia Moderna.

Crowley
A mais moderna dentre as linhas da escola inglesa é também a mais radical. Deriva diretamente das obras de Aleister Crowley (1875-1947), um caso à parte na História da Magia. Auto-intitulado "A Besta do Apocalipse", devido à sua irredutível orientação anticristã, Crowley integrou e fundou algumas das mais poderosas sociedades secretas de seu tempo, como a Golden Dawn, na Inglaterra, a qual transformou completamente imprimindo a sua marca pessoal; e a O.T.O. , "Ordo Templi Orientis", grupo alemão de magia sexual de grande importância no cenário ocultista da época.
Em suas inúmeras obras, tais como "Magick", "777"e "O Livro da Lei", Crowley propôs uma nova visão da Magia e do papel do Homem no Universo. Apesar de sua intensa crueldade pessoal e de uma trajetória cheia de incidentes sinistros, Crowley deixou um legado cultural fundamental para aqueles que procuram entender como a Magia pôde adentrar o século XX como uma forma ainda válida para compreender o mundo.

França
A chamada escola francesa também lança raízes profundas no tempo. Desde o famoso alquimista Nicholas Flamel (1330-1418) e o legendário Michel de Notredame (1503-1566), até toda uma longa geração de "grimoires" (grimórios), livros quase sempre apócrifos com símbolos, encantamentos e receitas mágicas quase sempre macabras, dificílimas, grotescas ou tudo isso ao mesmo tempo.
Dentre esses sobressaem-se "Le Grimoire de Honoire", atribuído talvez falsamente a um Papa do séc.XIII e "Le Grand Albert", ou "Le Dragon Rouge" e "Le Petit Albert", atribuídos errôneamente a Alberto Magno.

Alta Magia
Também merecem destaque o "Heptameron", de Pietro de Abano e o "Lemegeton", suposta obra do próprio Rei Salomão. Toda essa base histórica lançou as sementes para o florescimento, no séc. XIX, da chamada Alta Magia, a partir dos trabalhos de Papus, Eliphas Levi, Stanilas De Guaita, Josephin Péladan e Saint-Yves D'Alveydre. Integrados entre si por identidades doutrinárias ou por vínculos de mestre e discípulo, esses autores propõem uma visão eticamente orientada, enfatizando a importância do Mago alinhar-se com as Forças da Luz.
O apelo aos anjos católicos, à Jesus e mesmo à Virgem Maria não era descartado. Ainda hoje existem muitos adeptos dessa linha em todo o mundo.

A Grade Chave de Salomão:
O texto essencial de evocar, proteger e prender espíritos de todos os gêneros, creditado a Salomão, o Sábio, mas este livro foi muito alterado de edição para edição, perdendo muito de sua versão original.

O Lemegeton - A Chave Menor de Salomão:
Uma completa descrição judaico-cristã de anjos e demônios, alem de ritos para evoca-los.

Escolas Orientais
Muitas escolas orientais também influenciam o moderno pensamento mágico e constituem uma importante corrente filosófica dentro das Ciências Ocultas. Dentre elas sobressaem-se algumas, principalmente as linhas Tântricas, que utilizam magia, sexo e meditação de forma integrada para atingir as transformações interiores desejadas.

Tantra
Originárias da região da Cachemira, na Índia, as seitas tântricas remontam a tempos imemoriais e propõem uma visão do mundo baseada no culto ao Deus Shiva e às forças femininas da Natureza, principalmente à Shakti, a força sexual feminina que permite ao adepto e sua parceira cavalgar o êxtase e abraçar os mundos!


Divisão
De forma geral divide-se em duas linhas: a da "Mão Esquerda", que trabalha com práticas sexuais concretas e a da "Mão Direita", que utiliza materiais simbólicos como mandalas e mantras para evocar a energia sexual do Cosmo.
O ponto comum entre elas é o trabalho sobre a Kundalini, o poder sexual que jaz mais ou menos adormecido em todo ser humano. As doutrinas Tântricas constituem um importante elemento incorporado pelos Magos modernos.
Nas Antilhas, principalmente no Haiti, originaram o Vodu, marcado por seu potencial mágico extremamente forte e mesmo agressivo. Tribos de outras regiões da África originaram, principalmente no Brasil, a Macumba e suas derivações: a Umbanda e a Quimbanda.
Apesar das diferenças, todos esses cultos são caracterizados por uma atitude de familiaridade com as divindades e de resistência à opressão social que atinge os devotos, quase sempre oriundos das camadas mais desfavorecidas da sociedade. Devido à sua natureza de resistência social e de apoio aos oprimidos, são cultos que preservam intensamente os seus segredos e suas técnicas.